• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Resenha da Ju: Os homens que não amavam as mulheres

    Os homens que não amavam as mulheres

    Autor : Stieg Larsson

    Editora: Companhia das Letras

    Primeiro livro da trilogia Millennium, conta a história da parceria formada por Lisbeth Salander e Mikael Blomkvist na busca pelo assassino de Harriet Vanger, herdeira do poderoso império industrial de seu tio Henrik Vanger . Do ínicio do relacionamento entre Mikael e Lisbeth até o final da investigação do assassinato a história vai sendo construída detalhadamente até seu desfecho.

    Sou suspeita para falar porque adoro essa trilogia, mas existe um tema subjacente à história que me interessa muito. O feminismo, a meu ver, está extremamente presente nas obras, embora muito se discuta se há ou não um machismo latente. Par mim é claro que Lisbeth é uma personagem extremamente forte, dona da sua vida e da sua sexualidade e que não presta contas a ninguém. O fato do livro se chamar Os Homens que Não Amavam as Mulheres é indicador desse feminismo, uma vez que Larsson (declaradamente um feminista) usa vários personagens masculinos para deixar claro de quantas formas, em seu dia a dia comum às mulheres podem ser odiadas e violentadas por homens que muitas vezes são aqueles que deveriam protegê-las.

    Os Homens que Não Amavam as Mulheres

    Män Som Hatar Kvinnor

     Versão 1: Suécia/Alemanha/Dinamarca

    Versão 2: EUA/Suécia/Reino Unido/Alemanha

    Suspense

    Diretor versão 1:Niels Arden Oplev

    Diretor versão 2: David Fincher

    Elenco versão 1: Noomi Rapace, Michael Nyqvist

    Elenco versão 2: Rooney Mara, Daniel Craig



    Sempre sou resistente a remakes, acho que é mania de estado-unidense abobalhado, mas nesse caso o filme de Fincher me conquistou. Embora o original sueco siga a linha de deixar claro que existem muitos homens que não amam (ou melhor, odeiam) as mulheres, a refilmagem conquista principalmente pela atuação. Rooney Mara está exemplar no papel de Salander e até Daniel Caig, no qual eu não botava muita fé, conquista no papel  do jornalista Blomkvist e torna natural a descrição que o autor faz de seu personagem, um homem extremamente sedutor e com vários relacionamentos. Nesse quesito Nyqvist perde feio.

    Por Juliana Bastos

    0 comentários :

    Postar um comentário

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!