• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Resenha da Drica: A garota que perseguiu a lua, Sarah Addison Allen - Planeta

    Título Original: The Girl Who Chased the Moon

    Autor: Sarah Addison Allen

    Ano: 2012

    Páginas: 243

    Editora: Planeta

    Tradução: Aline Klesck

    Sinopse
    Como você pode achar seu caminho? Seguindo as nuvens ou a lua? Emily Benedict foi para Mullaby após a morte de sua mãe. Ao chegar à cidade e conhecer seu avô ela percebe que os mistérios do lugar nunca são resolvidos: eles são uma forma de vida. Existem quartos cujo papel de parede muda de acordo com o seu humor, luzes estranhas aparecem no quintal à noite e Julia Winterson, a vizinha, consegue cozinhar a esperança em forma de bolos. Emily percebe que sua mãe esteve envolvida no maior mistério da cidade, e conta com a ajuda de Julia para desvendá-lo. Em Mullaby nada é o que parece.


    A Garota que Perseguiu a Lua é uma história de realismo fantástico que emociona ao tratar claramente da alma humana e suas várias faces.

    Entre histórias de amor, reencontro, perdão e acontecimentos fantásticos, somos apresentados a Mullaby e seus mistérios, uma pequena cidade em Carolina do Norte. Luzes noturnas nos quintais, um gigante, papéis de parede que mudam de cor, bolos com sabor de esperança e pessoas com habilidades incomuns fazem parte dessa história. O livro gira em torna principalmente das vidas de Emily e Julia, que tem em comum o fato de estarem procurando o seu lugar no mundo.

    Emily Benedict, 17 anos, se muda para Mullaby ao perder sua mãe, Dulcie Shelby, e vai morar com seu único parente vivo: o avô, um gigante com mais de dois metros de altura.  É ai que os mistérios de Mullaby começam a entrar na vida de Emily. Ela logo percebe que ninguém quer desvendar os mistérios de Mullaby, eles são o modo de vida dos moradores da cidade. 

    Mas desvendar o passado de sua mãe é o seu objetivo, e ela vai contar com a ajuda de Julia Winterson, 34 anos, antiga colega de colégio de sua mãe, que retornou a Mullaby após 18 anos. Julia volta para tentar salvar o restaurante do pai, antes apenas especializado em churrasco, mas onde ela passa a vender bolos com sentimentos, na esperança de reconquistar um amor adolescente. Também com um passado a ser revisto e pendências a serem acertadas que ocasionaram um coração partido. Devo confessar que Julia é minha personagem preferida e que realmente acredito que os bolos tenham esse poder de mesclar sentimentos. 

    Quando eu era pequeninho, eu podia estar brincando do outro lado da cidade e sabia exatamente quando minha mãe tirava um bolo do forno. Eu via o cheiro, a forma como ele flutuava pelo ar. Eu só precisava segui-lo até em casa.

    Emily também conhecerá Will Coffey, um garoto misterioso e fofo que se apaixonará por ela e por quem ela também se apaixonará repetindo assim um ciclo do passado, filho da família mais tradicional e rica da cidade, que revelará o motivo pelo qual Mullaby odeia a sua mãe e a rejeita. 

    Emily deixava o ar diferente, vibrante, como se houvesse música por perto, mas ele não chegava a ouvir. Ele estava surpreso pela forma como se sentia bem mais completo com ela por perto, e não sabia como lidar com isso. Ser necessário era parecido com ser alto – não chegava a ser um problema até ter gente ao redor.

    Narrado em terceira pessoa através dos olhares de Emily e Julia, principalmente, mas também de Vance, avô de Emily, de Sawyer, antiga paixão de Julia, e de Will. A capa é linda e, depois do título, foi o que me fez ansiar pela leitura. 


    O livro é fantástico, delicioso de ser lido. A autora consegue misturar romance e mistério em uma dose perfeita e nos desperta uma infinidade de sentimentos ao longo da história que fala muito sobre o ser diferente, e como as diferenças podem conviver de forma harmoniosa e apaixonante. 

    “… Estou sempre com saudade de casa … Só não sei onde é minha casa. Há uma promessa de felicidade por aí. Eu sei disso. Até sinto às vezes. Mas é como perseguir a lua: bem na hora em que você a tem, ela some no horizonte. Eu fico triste e tento seguir em frente, mas depois … volta na noite seguinte, me dando esperança de pegá-la novamente…”

    Como é difícil falar de uma história quando nos apaixonamos por ela... O que tenho a dizer? Leiam, apenas leiam...E Sarah, please, continue a contar a história de Mullaby.

    5 comentários :

    1. Oii!!
      Ainda não conhecia o livro, já vou colocar na minha listinha de leitura, espero poder ler logo!
      Realmente gostei da história, to aqui imaginando ter um avô gigante *o*
      Agora fiquei curiosa pelo mistério \õ/
      Beijos;
      Leticia - ObsessionValley

      ResponderExcluir
    2. Esse foi um dos primeiros livros que li este ano e entrou para os favoritos logo no começo. A autora tem uma sensibilidade incrível e personagens totalmente reais e cativantes. Doida para ler tudo da Sarah!!!

      A capa e a diagramação deixaram tudo mais perfeitos.

      Bjs, @dnisin
      www.seja-cult.com

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Não conhecia a autora e me apaixonei pelo livro e seus personagens fantásticos!

        Excluir
    3. Estou adorando dar uma olhada nas resenhas antigas aqui do blog, pois estou descobrindo livros muito interessantes que nunca tinha ouvido falar! Este também parece ser ótimo, não resisti e adicionei aos meus desejados haha
      Concordo que a capa é linda, me fez querer dar uma olhada na resenha e me apaixonei pelo enredo. Muito interessante a estória misturar elementos fantasiosos com elementos reais, como bolos com sentimentos, achei fantástico! Os personagens principais parecem ser cativantes, deve ser uma estória linda e fiquei curiosa para descobrir os segredos da cidade e os da mãe da personagem.
      beijos!

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!