• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Resenha da Drica: O Oceano no Fim do Caminho - Neil Gaiman, da Intrínseca

    Título Original: The Ocean at the End of the Lane

    Ano de Lançamento: 2013

    Número de Páginas: 208 páginas

    Editora: Intrínseca

    Tradutor: Renata Pettengil


    Sinopse

    Foi há quarenta anos, agora ele lembra muito bem. Quando os tempos ficaram difíceis e os pais decidiram que o quarto do alto da escada, que antes era dele, passaria a receber hóspedes. Ele só tinha sete anos. Um dos inquilinos foi o minerador de opala. O homem que certa noite roubou o carro da família e, ali dentro, parado num caminho deserto, cometeu suicídio. O homem cujo ato desesperado despertou forças que jamais deveriam ter sido perturbadas. Forças que não são deste mundo. Um horror primordial, sem controle, que foi libertado e passou a tomar os sonhos e a realidade das pessoas, inclusive os do menino.

    Ele sabia que os adultos não conseguiriam — e não deveriam — compreender os eventos que se desdobravam tão perto de casa. Sua família, ingenuamente envolvida e usada na batalha, estava em perigo, e somente o menino era capaz de perceber isso. A responsabilidade inescapável de defender seus entes queridos fez com que ele recorresse à única salvação possível: as três mulheres que moravam no fim do caminho. O lugar onde ele viu seu primeiro oceano.

    Por incrível que pareça, esse é o primeiro livro de Neil Gaiman que li. O primeiro porque agora quero ler todos!!!!!!!!!!! O livro é fantástico, literalmente, mágico e impressionante, que proporciona um misto de emoções, desde o fascínio, passando pela incredulidade até a paixão pelos personagens. 

    “Pessoas diferentes se lembram das coisas de jeitos diferentes, e você nunca vai ver duas pessoas se lembrando de uma coisa da mesma forma.”

    O livro é narrado em primeira pessoa, temos um homem adulto revivendo suas memórias de quase quarenta anos, quando era uma criança de 7 anos de idade. Esse revival acontece quando ele retorna à Sussex, cidade da Inglaterra onde viveu sua infância para um funeral e acaba indo parar na fazenda das Hempstock, onde viveu grandes aventuras no passado.
    Lá ele começa a relembrar fatos que marcaram sua infância: a festa de aniversário em que nenhum amigo foi; o inquilino que atropelou seu gatinho, roubou o carro do pai e se suicidou logo depois; a mãe que precisava trabalhar fora e da babá estranha que tomava conta dele e da irmã menor; o lago que era como um oceano; e de Lettie Hempstock, a criança que morava na casa no final da rua, sua única amiga e companheira através dos mistérios de um mundo hora real hora fantástico.
    Ponto para como o autor narra a infância, através das memórias de um adulto, ainda com o leve toque da inocência. 

    “Fui para outro lugar em minha cabeça, para dentro de um livro. Era para onde eu ia sempre que a vida real ficava muito difícil ou muito inflexível.”

    Ele era um apaixonado pela leitura, fã incondicional de livros e quadrinhos. 

    “Os livros eram mais seguros que as pessoas de qualquer maneira.”

    A Família Hempstock era composta por três mulheres que, conforme a descrição do livro, não eram bruxas, mas verdadeiras sábias que viveram muito e conheciam a sabedoria do universo. Ou seja, o que chamariam por aí de bruxas. Lettie, sua amiga, e a mais nova Hempstock. 

    A aventura começa com o suicídio do inquilino, o que abre a porta para um mundo cheio de possibilidades aparentemente absurdas e personagens sombrios. Coisas estranhas começam acontecer, um espírito chega à cidade atraído por essa morte, e logo assume a forma de Úrsula Monkton, uma governanta, que ameaça matá-lo e destruir sua família.

    “Vou dizer uma coisa importante para você. Os adultos também não se parecem com adultos por dentro. Por fora, são grandes e desatenciosos e sempre sabem o que estão fazendo. Por dentro, eles se parecem com o que sempre foram. Com o que eram quando tinham a sua idade. A verdade é que não existem adultos. Nenhum, no mundo inteirinho.”

    O livro é um passeio pelos milhões de possibilidades imaginativas que a infância nos proporciona, que traduz os pensamentos e falas de uma criança de maneira poética com dosagens corretas de drama nos momentos cruciais. É também um livro que fala de amizade e de como ela tem um poder transformador na vida de crianças ou adultos. Nos faz refletir e repensar o que foi a nossa infância, uma verdadeira fábula para adultos!

    "Não tenho saudade da infância, mas sinto falta da forma como eu encontrava prazer em coisas pequenas, mesmo quando coisas maiores desmoronavam."

    O Oceano no Fim do Caminho já teve os direitos de adaptação para o cinema comprados pela produtora Playtone, com o diretor Joe Wright (Anna Karenina, Desejo e Reparação) ligado ao projeto. A mesma produtora está trabalhando na adaptação de outro livro de Gaiman, Deuses Americanos, como série de TV na HBO.

    “Este é o problema com as coisas vivas. Não duram muito. Gatinhos num dia, gatos velhos no outro. E depois ficam só as lembranças. E as lembranças desvanecem e se confundem, viram borrões...”

    5 comentários :

    1. Meus Deus, essa capa é belissima! Como pode?!
      Sou louca pra ler esse livro, não tive a oportunidade ainda :\
      Adorei sua resenha viu.

      Beijos
      http://bloglostinwords.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir
    2. Oi Adriana, tudo bem?
      Nem sabia que Deuses Americanos tinha virado série... Adorei esse livro!
      Ainda não li O Oceano no fim do caminho, mas lendo a sua resenha, e conhecendo o autor, já sei um pouco o que esperar: um livro imprevisível e muito gostoso.
      O preço tá tão bacana que acho que vou investir nessa leitura.
      Beijos, parabéns pela resenha =)
      alanahomrich.blogspot.com.br

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Alana,

        vale muito à pena, pode comprar q vc não vai se arrepender!

        Excluir
    3. Ainda não li nada deste autor, mas sua resenha foi tão positiva que me fez querer mergulhar nessa estória também.
      Adoro estórias que são contadas através de memórias e fiquei curiosa para saber como foi a infância, que parece ser cheia de magia e aventura, deste homem. Deve ser uma leitura cativante mesmo, e que ainda nos leva a refletir sobre o poder da amizade na vida de crianças e adultos, gosto muito de livros que causam reflexões.
      beijos!

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!