• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Leitura da Drica: Se eu ficar, Gayle Forman - Novo Conceito

    Autora: Gayle Froman

    Editora: Novo Conceito

    Páginas: 224

    Publicação: 2014

    Sinopse:
    Depois do acidente, ela ainda consegue ouvir a música. Ela vê o seu corpo sendo tirado dos destroços do carro de seus pais – mas não sente nada. Tudo o que ela pode fazer é assistir ao esforço dos médicos para salvar sua vida, enquanto seus amigos e parentes aguardam na sala de espera... e o seu amor luta para ficar perto dela. Pelas próximas 24 horas, Mia precisa compreender o que aconteceu antes do acidente – e também o que aconteceu depois. Ela sabe que precisa fazer a escolha mais difícil de todas.

    Leia um trecho aqui

    Oi, gente,

    Hoje vamos conhecer a história de Mia. Adolescente comum, que mora com os pais e o irmão Teddy, em Oregon. Absolutamente apaixonada por música, mas por música clássica, toca violoncelo e, apesar de muito tímida, está prestes a entrar em uma das escolas de artes mais famosas dos Estados Unidos. Namorada de Adam, também apaixonado por música, mas pelo rock, tem uma banda, a Shooting Star, que está começando a fazer sucesso fora de sua cidade. Seu pai já teve uma banda e tem um verdadeiro carinho por Adam. Teddy, para orgulho do pai, toca bateria. Tem uma melhor amiga fantástica, a Kim.

    Tudo ia bem até sofrer um acidente com toda a sua família quando estavam indo passar o dia fora. Acontece uma batida com um caminhão por causa da neve. E é ai que a história realmente começa. Os eventos acontecem muito rápido, e acredito que realmente seja assim estar em um acidente. Mia não sente nada, continua escutando a música que toca no carro e consegue perceber que aparentemente está bem. Vai procurar pelos pais e se depara com a dura realidade: seus pais estão mortos de uma forma lastimável. Ao procurar pelo irmão ela encontra o próprio corpo, respirando, mas cheio de hematomas e não consegue entender como ela consegue ver a si mesma. Ela é levada para o hospital em coma. Ela passeia pelo hospital e consegue ver Kim chegar com a mãe e encontrar os seus avós que já estão lá junto com outros parentes.

     “No começo acho que está tudo bem. Primeiro porque ainda consigo ouvir Beethoven. Depois porque estou aqui, imóvel, numa valeta da estrada."

    Se Eu Ficar é um drama e o primeiro livro de uma duologia. Mas senti também uma tendência para o romance espírita.

    A narrativa da Gayle é leve, fluida, mesmos tratando de temas densos como a morte e o que acontece entre a vida e ela. A história de Mia no presente vai sendo intercalada por flashes do seu passado ao longo de enredo que nos ajuda a conhecer mais quem ela era e como era a sua vida antes do acidente. Se lembra de momentos com o pai, do nascimento de Teddy, da escolha pelo violoncelo, da sua amizade com Kim e de como conheceu Adam. O livro é dividido não em capítulas, mas de acordo com o tempo esclarecendo assim o desenrolar da história.

    “Quando estava com Adam, me sentia eleita, escolhida, especial, e isso só fazia com que eu me perguntasse ainda mais: por que eu?”

    Todo o enredo vai se desenrolar a partir de um conselho que o avô de Mia dá para ela, ao dizer que é ela quem decide se deve ou não ficar, a escolha é apenas dela, logo depois da enfermeira Ramirez ter lhe dito quase a mesma coisa: “Você acha que cabe aos médicos, aos medicamentos e as máquinas, mas se você fica ou se você vai, a decisão é sua.” A partir daí Mia viverá esse dilema, ponderando depois de todas as perdas que teve, se ainda vale a pena viver, se ela será a mesma depois de tudo o que aconteceu, como ela conseguiria viver com a dor de perder pessoas que tanto ama. Tudo o que ela vai ouvir nesse estágio fora do corpo e mais os sentimentos que ela vai lembrando serão matéria para ajudá-la nessa decisão.

    Ao longo da história vamos conhecendo as pessoas que fazem parte da vida de Mia. Adam é um namorado incrível, que fará de tudo para vê-la e terá a ajuda de Mia que, apesar de não gostar muito dele, não hesitará em ajudá-lo.

    É um livro que faz você refletir, se colocar no lugar de Mia e avaliar coisas que ela também avalia pensando “E se fosse eu?”. Nos faz perceber a importância da família, dos nossos amigos, do lugar que o amor deve ocupar em nossas vidas. Nos leva a reforçar a ideia de que o amanhã sempre será uma incógnita e viver o hoje é sempre imprescindível.


    Vale à pena. 


    13 comentários :

    1. Olááá
      Amei o livro e ainda infelizmente não assisti ao filme, mas quero muito.
      O livro me conquistou bastante e confesso que não es´perava muuuito dele, mas fiquei feliz pela leitura ser boa e to loca para ler a continuação.
      Ótima resenha

      Beijos
      http://realityofbooks.blogspot.com.br/2014/11/resenha-lista-negra-jennifer-brown.html

      ResponderExcluir
    2. Oi Drica, li este livro tem uns 2 anos e fiquei muito emocionada com o enredo. Sinceramente, não sei o que faria no lugar de Mia.
      Bjs, Rose.

      ResponderExcluir
    3. Eu não sei o que faria no lugar na Mia, pensando bem, apesar das perdas acho que a vida é o maior bem que temos por isso acho que ficaria. Mais enfim, só de pensar em ver meus pais mortos??? Nossaaaaa, deve doer demais.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Sofrer é com Mia mesmo, mas ela é uma garota forte e acredito q fez a escolha certa.

        Excluir
    4. Pra mim foi uma das revelações deste ano. A história me conquistou de um jeito único. Chorei muito e fiquei abalada quando desfolhava cada página. Agora é me preparar para o segundo livro e ter um lenço em mãos. rsrsrs
      Beijos.

      ResponderExcluir
    5. Eu amei o livro mas ainda assim mudaria umas coisas. Eu estou tentando fazer uma video resenha a mais de duas semanas mas parece que todos ficam ruins kkkkk.
      Presente continuar a leitura com o próximo livro?

      Beijos.
      www.livrosporumbeijo.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Vou ler sim, Milla, tá na minha lista q se move a passos de tartaruga! E vc, já leu o segundo?

        Excluir
    6. Eu tenho o livro aqui em casa, mas ainda não peguei para ler, é por falta de tempo também, e muitos livros na lista de leitura, não consigo dar muita conta.. Mas Mia parece uma personagem sútil e meiga, o filme parece ser uma graça, queria ter ido ao cinema, mas como não havia pegado no livro nem fui.
      Achei bem original a forma em que Gayle retrata sua obra, sobre a "quase morte" de Mia , e a forma em que os dois se expressam através da música é lindo. E se realmente o livro nos fazem pensar mais a respeito de como tratamos as pessoas e ver a importância deles na nossa vida.
      Beijos Adriana, ThaynáQ.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Isso mesmo, Thayná, a forma leve como Gayle trata de temas tão densos é o ponto forte do livro.

        Excluir
    7. Nunca li nenhum livro com essa temática, apenas assisti a filmes e confesso que sempre me coloco no lugar do personagem, a autora foi muito feliz na elaboração dessa história, mostrando como nossa vida pode mudar drasticamente em questão de segundos, como um acidente pode nos vitimar e mostrar a importância do amor verdadeiro, o poder das nossas escolhas.
      É um livro que retrata muito bem a dúvida que a Mia sente, o desespero dos familiares e que somos nós que decidimos o que fazer como nossa vida.
      Outro ponto que gostei bastante foram as lembranças que ela vai tendo ao longo do livro com as pessoas especiais, mesmo assim, senti que falto algo para o livro me convencer por completo, talvez na continuação isso seja sanado.
      O trabalho da Novo Conceito ficou perfeito, a edição e as notas musicais nas páginas foram extremamente adequadas, enfim simpatizei bastante com Adam e seu estilo de vida, agora falta conferir o filme.

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!