• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Leitura da Drica: Morte Invisível, Lene Kaaberbol e Agnete Friis - Arqueiro

    Título Original: Et Stille ucerklight drab

    Título: Morte Invisível

    Autoras: Lene Kaaberbol e Agnete Friis

    Editora Arqueiro

    Tradução: Marcelo Mendes

    Número de págs: 318




    Sinopse:

    Em meio às ruínas de um hospital militar soviético no norte da Hungria, Pitkin e Tamás procuram antigos suprimentos e armas que possam vender no mercado negro, até que acabam encontrando algo mais valioso do que poderiam imaginar.
    Ali está a esperança dos meninos ciganos de deixar a pobreza, de quitar as dívidas da família, quem sabe de se livrar um pouco do preconceito que sofre o seu povo. Porém, suas boas intenções podem provocar a morte de um número alarmante de pessoas.

    “Em que ponto exatamente ele tinha perdido as rédeas da própria vida?
    Talvez nunca as houvesse tido. Talvez o livre-arbítrio não fosse mais que uma grande ilusão, o maior engodo de todos os tempos.”

    Oi, gente,

    Morte Invisível é sequência do livro O Menino da Mala, já resenhado aqui, e que tem como protagonista a enfermeira heroína Nina Borg. Fiquem tranquilos, não teremos spoilers!!! Até porque as histórias podem ser lidas independentemente e fora da ordem sem prejudicar o entendimento de nenhuma delas.

    O livro inicia a história nos apresentando o conflito que existe entre húngaros e ciganos. Os húngaros não aceitam a presença do povo cigano em seu território principalmente por achar que os romani acentuam a condição de desemprego e miséria no país. Vamos conhecer Sándor, cigano, estudante de Direito, que mora na Hungria e que se verá envolvido em um grande suspense por causa da descoberta do seu irmão Tamás.

    Pitkin e Tamás invadem as ruínas de um hospital abandonado na esperança de encontrar algo de valor para vender e são bem sucedidos. Tamás então vai até a Hungria, usando o passaporte do irmão, para encontrar com um comprador misterioso e conseguir o dinheiro que será capaz de tirar toda a sua família do estado de extrema pobreza em que vivem.

    Nesse meio tempo, Nina será chamada a atender um grupo de ciganos que estão ilegalmente no país, cujos filhos estão muito doentes. Se você não leu O menino da mala, vai descobrir que ela faz parte de uma rede que une pessoas voluntárias capazes de ajudar imigrantes ilegais, o que é motivo de brigas homéricas entre ela, o marido e a filha. Na verdade, Nina prometeu que se manteria afastada dessas situações pois a última vez em que ajudou alguém quase perdeu a vida.

    Alternado as duas histórias, o livro segue mostrando que Sándor terá que ir em busca de Tamás para manter a sua família em segurança. Nessa busca, Sándor será levado a uma oficina, a mesma em que Nina estará ajudando crianças ciganas que são portadoras de uma doença muito estranha. Uma vez contaminada, Nina será a ponte para descobrir que a doença é causada por um alto grau de radioatividade, o que servira como pista para a polícia começar a encaixar as peças.

    As autoras alternam os capítulos com a visão de cada um dos personagens, o que nos traz uma visão fiel do que está acontecendo. Novamente tratando de temas polêmicos, acho que é isso que torna o livro tão interessante. Afinal prender um leitor em um suspense de qualidade falando de temas como racismo, preconceito, prostituição, economia, dramas de família não é muito fácil.

    Só achei que a nossa protagonista ficou meio apagada nessa história, Nina não é mais a mulher forte, cheia de inciativa do primeiro livro, está mais comedida, mais racional devido aos conflitos familiares. O que torna a história, em alguns momentos, um tanto quanto morosa. Quem rouba a cena mesmo é o Sándor.

    Capa interessantíssima, foi o que me chamou a atenção de imediato. Diagramação de qualidade e uma história fantástica. Parabéns, mais uma vez, à Arqueiro!!!


    Recomendo!!!




    3 comentários :

    1. Oi Dri, era justamente isso que eu queria saber, se pode ser lido fora de ordem. Que bom que pode.
      Bjs, Rose

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Pode sim, até pq elas dão um toque sobre o que aconteceu no livro anterior, mas sem revelar nada.

        Excluir
    2. Adriana!
      Não li o primeiro livro, embora quisesse muito.
      Achei interessante o enredo e fiquei com pena de saber que a protagonista fiquei um tanto apagada nesse livro.
      “A mulher é um efeito deslumbrante da natureza.”
      Feliz dia da mulher!
      Cheirinhos
      Rudy
      http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!