• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Leitura da Drica: Eu te darei o sol, Jandy Nelson - @novo_conceito

    Eu Te Darei o Sol

    O amor é apenas a metade da história

    Autora: Jandy Nelson

    Ano: 2015

    Páginas: 384

    Editora: Novo Conceito

    Sinopse:
    Noah e Jude competem pela afeição dos pais, pela atenção do garoto que acabou de se mudar para o bairro e por uma vaga na melhor escola de arte da Califórnia.
    Mal-entendidos, ciúmes e uma perda trágica os separaram definitivamente. Trilhando caminhos distintos e vivendo no mesmo espaço, ambos lutam contra dilemas que não têm coragem de revelar a ninguém.
    Contado em perspectivas e tempos diferentes, EU TE DAREI O SOL é o livro mais desconcertante de Jandy Nelson. As pessoas mais próximas de nós são as que mais têm o poder de nos machucar.



    A primeira coisa que me deixou intrigada com esse livro foi a última frase da sinopse: “As pessoas mais próximas de nós são as que mais têm o poder de nos machucar. “ Imaginei que teríamos um bom drama pela frente e resolvi ler.

    A história é narrada pelos gêmeos Noah e Jude Sweetwine, em momentos diferentes, alternando passado e presente e, claro, sob a perspectiva de cada um. Seu tema principal? A eterna disputa entre irmãos pela atenção de todos, buscando se destacar em um mundo tão igual como é a realidade de gêmeos.

    Noah é o favorito da mãe enquanto Jude, a favorita do pai. E isso só torna a disputa mais acirrada. Noah é um garoto introspectivo, tem tanto talento que já nasceu para ser um pintor renomado, não é muito de falar, mas expõe os seus sentimentos através dos seus desenhos. O que provoca o orgulho da mãe e a inveja da irmã. Sem amigos, tendo apenas a sua arte por companhia, é a chegada de um novo vizinho que vai desestabilizar a vida de Noah.

    “Sempre sei o que se passa na mente da Jude. Não é tão fácil para ela saber o que se passa na minha mente, porque eu tenho persianas mentais e as fecho sempre que acho necessário. Como ultimamente. “

    Jude é bonita, popular e surfa, chama a atenção dos garotos por onde passa. Não se entende muito com a mãe e ambas vivem discutindo. Tem talento para esculturas, mas não acredita em seu potencial. Apesar de tudo é insegura e sofre muito a falta da avó que morreu.

    "Permito-me sentir o horror e me rendo a ele em vez de fugir, em vez de me convencer que tudo pertence a Noah, e não a mim, em vez de colocar todo um índice de temores e superstições entre mim e este horror, em vez de me mumificar em camadas e mais camadas de roupas para me proteger, e caio com a força de dois anos de luto contido, o sofrimento de dez mil oceanos finalmente rompendo diques dentro de mim...
    Deixo que meu coração se parta.
    E Noah está aqui, forte e firme, para me segurar, para me abraçar durante a queda, para ter certeza de que estou segura."

    Através da narrativa dos dois percebemos como os dois são capazes de machucar um ao outro. E isso só piora quando um acidente trágico atinge a frágil estrutura da família e transforma os gêmeos em pessoas vazias e sem vontade de viver, afastando-os ainda mais. Mesmo que, no fundo, o que os dois queiram mesmo é se reconciliar e voltar a ser uma família.

    "E tudo dentro de mim está em silêncio, em paz e certo. Respiramos e nos deixamos levar. Imagino nós dois nadando sob o céu noturno até a Lua brilhante e espero me lembrar dessa imagem pela manhã, para poder desenhá-la e lhe dar de presente. Antes de dormir, ouço-a dizendo: 
    - Ainda te amo muito.
    E digo:  Eu também."

    Eu te darei o sol é um dos livros de maior carga emocional que já li. E nos mostra que a vida é curta demais para perdemos tempo com banalidades, e que devemos mesmo é nos preocupar em estar ao lado de quem amamos.


    Uma história para quem gosta de dramas familiares, descoberta da sexualidade com uma pitada leve de romance.






    13 comentários :

    1. Olá!!
      Minha expectativa ta enorme com esse livre desde que vi essa capa e esse nome me encantei, mais não tinha lido a sinopse então não imaginei que seria drama familiar, imaginei um romance estilo Nicholas Sparks, mais agora vejo que estava totalmente engana , não fosse sua resenha eu iria ter uma grande surpresa ao começar ler os livro, mas enfim, é uma surpresa boa, porque eu sou muito fã de dramas familiares e esse me pareceu interessante, ele permanecerá em minha lista de desejos.
      Bjocas

      ResponderExcluir
    2. Oi Drica, eu já imaginava que ia chorar com o livro, mas quando chegou o momento, o nó já estava apertado há muito tempo.Amei este livro.
      Bjs, Rose.

      ResponderExcluir
    3. Drica!
      Gosto de livros intensos como esse que trabalham o lado emocional de todas as personagens.
      E gosto quando envolvem irmãos, porque família é tudo, né?
      E concordo com o pensamento inicial, porque é de onde nem esperamos que ficamos mais magoados e quem está perto de nós, é quem tem mais possibilidade de nos machucar.
      “Jamais se desespere em meio as sombrias aflições de sua vida, pois das nuvens mais negras cai água límpida e fecunda.”(Provérbio Chinês)
      cheirinhos
      Rudy
      http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
      Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

      ResponderExcluir
    4. Antigamente esse seria um livro que saltaria aos meus olhos. Mas depois de viver o drama de uma UTI neonatal um livro sobre drama familiar não e algo que eu esteja tão ansiosa pra ler.
      Mas tenho que admitir que esse é um livro com fatores fortes para conquistar o leitor: Uma narrativa sob dois pontos de vista; um tema sobre o qual não lemos com frequência; e algo que todos nós presenciamos em algum momento de nossas vidas, seja o disputa entre irmãos ou a perda de um familiar.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Os dramas são bem mais intensos quando nós somos os protagonistas, né? Espero que esteja tudo bem.

        Excluir
    5. Drica, amei saber do diferencial da historia. Não há nada melhor que nos surpreendermos com uma historia, com a escrita da autora. Estou muito curiosa. Uma relação fraternal abalada é muito ruim, imagino que seja mais ruim ainda no caso de gêmeos, que compartilham de uma cumplicidade sem igual. Me apaixonei pela historia só de ler a resenha. E espero ter a oportunidade de ler algo que tem tanto para nos ensinar.
      Bjs!

      ResponderExcluir
    6. Irmãos que não se falam... Disputa entre eles. Pais que não sabem amar ambos da mesma forma...
      Fiquei com raiva desses pais. Eles tem um papel importante na vida dos filhos.
      Tenho dois irmãos e minha relação é muito diferente com cada um... mas nunca competimos pela atenção de ninguém... este livro parece ser um drama complexo e que sempre deixa muitas lições!
      Quero ler!
      Quero ler!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Concordo com vc, que os pais são crucias nesse caso. Eles poderiam ter mudado o rumo dessa história.

        Excluir
    7. parece que o livro nao foi tao bom quanto vc esperava mas vamos a minha opiniao....essa historia de irmaos competindo o amor dos pais nunca acaba bem ou um vai sair machucado ou pela pior das ipoteses o dois irao se machucar...entao nao gostei muito do tema...isso e o que eu achei..mas vamos dar uma chance...bjs..

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. O livro é muito bom, muito bem escrito, só não curto esse tipo de drama pq já tenho os meus dramas familiares reais, e ai tudo fica pequeno perto da realidade, né?

        Excluir
    8. Desde que o livro foi lançado eu senti vontade de ler ele. Primeiro porque eu gosto muito desse gênero literário, e segundo porque sempre aprendo algo com esse tipo de livro. Acho interessante porque os personagens deles são sempre muito reais, com qualidades mas também defeitos, o que acaba fazendo com que o leitor se identifique. A capa é linda, adorei a arte de diagramação!

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!