• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Leitura da Drica: Jogos Mentais, Teri Terry - @FarolLiterario

    Titulo: Jogos Mentais

    Autor/a: Teri Terry

    Editora: Farol Literário

    Gênero: Literatura Internacional / Distopia

    1ª edição 2015

    Sinopse:

    Luna vive em um mundo em que, todos os dias, milhares de pessoas se plugam a uma realidade virtual onde podem fazer tudo: se divertir, ir às compras ou estudar. Porém, ao se conectar, ela é capaz de vivenciar os dois mundos ao mesmo tempo, uma habilidade muito rara que ela deve manter em segredo. Mas ao ser convocada para um importante teste na escola, Luna sente que seu segredo poderá ser revelado. A partir daí uma série de estranhos acontecimentos a levam a questionamentos e descobertas inusitadas sobre os dois mundos. Agora ela precisará decidir o que fazer, pois as suas escolhas terão consequências incalculáveis para todos! Da mesma autora da premiada série Reiniciados, Jogos Mentais irá levar você por uma trama envolvendo Hackers, conspirações e grandes corporações do governo, fazendo-o acessar mundos que escondem verdades surpreendentes.

     Leia o primeiro capítulo aqui.

     

    Se você acompanha o blog, sabe que sou apaixonada pela Teri Terry! E já imaginam como fiquei quando soube do lançamento de Jogos Mentais!!!! E mais uma vez Teri não decepciona!

    Nossa protagonista é Luna, adolescente que vive em um mundo distópico no futuro, onde todos vivem alterando o mundo real e o virtual. Seja para trabalhar, se divertir, fazer compras, estudar ou apenas para fugir da realidade, as pessoas passam horas plugadas a uma máquina inovadora criada pela PareCo, um braço do governo, e que é complementada pelo implante de um chip no cérebro do usuário.

    “Compreendi anos mais tarde. Algumas vezes, ser diferente não é nada bom. “

    Parece fantástico, não? Até seria, se tudo não fosse absolutamente monitorado pelo governo. Quando conectados, a pessoa ‘deixa de existir no mundo real’ e a única coisa que existe para ele, naquele momento, é o mundo virtual. Menos para Luna, ela tem a incrível habilidade de transitar entre os dois mundos. E é essa habilidade que vai fazer com que Luna desvende o que está por trás de toda a estrutura virtual criada pelo governo com objetivos bastante suspeitos.
    “Eu me sentia como um camelo de duas cabeças naquele primeiro ano do ensino médio, segregada no show de horrores, sendo apontada nos corredores. Mas aquilo era por minha culpa, e não deles? E então me lembro de outra coisa. Eu tinha evitado falar com Melrose sobre tudo isso. Porque não podia revelar o motivo. Talvez eu não tenha percebido  o que estava fazendo. “

    Luna mora com seu irmão Jason, sua madrasta Sally, seu pai e Nana, sua avó paterna, que possui algum tipo de distúrbio mental que a mantem sempre fora da realidade, mas que nos poucos momentos de lucidez tenta alerta Luna para que nunca fale a ninguém que ela é diferente. Não bastasse sua habilidade incomum, Luna Ivernon é uma recusadora, ela não tem o implante. O que será que há por trás dessa advertência???

    Privilegiando sempre a racionalidade acima da inteligência, a PareCo identifica talentos para trabalhar criando mundos virtuais como sua mãe, Cristal, que foi uma grande hacker. E Luna sempre temeu esses testes, fazendo de tudo para passar despercebida. Mesmo assim ela é indicada para os testes e aprovada na primeira etapa.

    “O propósito não declarado, a dualidade!, é identificar indivíduos perigosos. Os inteligentes que são também irracionais, minha querida, precisam ser vigiados, e não imbuídos de responsabilidades. Para a segurança de todos nós. E o motivo, claro, é evitar que pessoas inteligentes, porém irracionais, voltem a ter qualquer responsabilidade. (...) porque inteligentes-idiotas, como eu gosto de chamar, como sua mãe, são um perigo para si mesmos e para a sociedade.”

    A partir daí a ida de Luna vai virar de cabeça para baixo, segredos do passado serão trazidos à tona, grandes revelações vão acontecer, reencontros inusitados vão mudar seus conceitos e escolher em quem confiar não será uma tarefa fácil pra ela.

    A Teri cria, mais uma vez, uma história inusitada. Fazendo uma crítica a necessidade humana de viver no mundo virtual e à quase dependência tecnológica, onde o ser humano esquece de olhar para o lado para ver a beleza de um pôr do sol, a autora também nos mostra o quanto é necessário saber dosar essa utilização e usufruir o seu lado bom.

    Narrado em primeira pessoa por Luna, temos o prazer de conhecer melhor essa menina forte, corajosa e de personalidade marcante, que sabe o que quer e não vai se deixar manipular por ninguém.

    Mesclando tecnologia e as peculiaridades do mundo nerd, com problemas típicos da adolescência, drama familiar, um leve romance e muito questionamento, temos uma história muito bem articulada, com personagens muito bem construídos ne com um final realmente surpreendente, mas absolutamente crível e, quem sabe, possível em algum momento no futuro.

     
     
     

    1 comentários :

    1. Parece que a trama do livro é muito boa e cheia de surpresas. Tenho a impressão que é um daqueles livros que quando a gente começa a ler não quer largar enquanto não chega ao fim. Estou super interessada no livro.

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!