• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Leitura da Drica: Dias Perfeitos, Raphael Montes - Companhia das Letras

    Dias Perfeitos

    Raphael Montes

    Ano: 2014

    Páginas: 280

    Editora: Companhia das Letras

    Gênero: Thriller policial

    Sinopse:

    Téo é um solitário estudante de medicina que divide seu tempo entre cuidar da mãe paraplégica e examinar cadáveres nas aulas de anatomia. Durante uma festa, ele conhece Clarice, uma jovem de espírito livre que sonha tornar-se roteirista de cinema. Ela está escrevendo um road movie sobre três amigas que viajam em busca de novas experiências. Obcecado por Clarice, Téo quer dissecar a rebeldia daquela menina. Começa, então, uma aproximação doentia que o leva a tomar uma atitude extrema. Passando por cenários oníricos, que incluem um chalé em Teresópolis e uma praia deserta em Ilha Grande, o casal estabelece uma rotina insólita, repleta de tortura psicológica e sordidez. O efeito é perturbador. Téo fala com calma, planeja os atos com frieza e justifica suas atitudes com uma lógica impecável. A capacidade do autor de explorar uma psique doentia é impressionante – e o mergulho psicológico não impede que o livro siga um ritmo eletrizante, repleto de surpresas, digno dos melhores thrillers da atualidade. Dias perfeitos é uma história de amor, sequestro e obsessão. Capaz de manter os personagens em tensão permanente e pródigo em diálogos afiados, Raphael Montes reafirma sua vocação para o suspense e se consolida como um grande talento da nova literatura nacional.

     

    Gradativamente, o meu receio em ler os nacionais está se esvaindo. E Raphael Montes é um dos responsáveis por isso.

    Téo é o nosso intricado personagem principal. A minha primeira surpresa com ele e que me fez acreditar que a história renderia muito foi o fato de que a sua melhor amiga se chama Gertrudes, nome estranho? Sim, mas mais estranho é saber que Gertrudes não é um ser humano comum: ela é um cadáver! Devo continuar lendo esse livro, sim ou com certeza???

    Tímido, introvertido, 20 anos, muito inteligente, sem amigos e sem sentimentos por ninguém, finge, convenientemente, para parecer comum. Levando uma vidinha monótona pautada pelas aulas de medicina e os cuidados com a mãe paraplégica, tudo começa a sair do eixo quando Téo conhece Clarice em uma festa onde vai acompanhar sua mãe.

    Clarice é o extremo oposto de Téo. Estudante de História, desinibida, bem resolvida, boca suja, bebe, fuma, adora festas, não segue padrões. O selinho que ela dá nele na hora da despedida é o estopim para que Téo acredite que Clarice queria algo mais e desencadeia uma refinada perseguição. Seu objetivo? Provar que eles formam o casal ideal e que ele pode melhorar o que não é tão bom nela.

    “Ela o havia beijado naquele churrasco. Por que parar? Do beijo, furtado e furtivo, ele havia se tornado refém. Não era o invasor, mas o invadido; não queria só desvendar, mas ser desvendado. Ele amava Clarice, admitiu. Precisava ser amado”

    Como um pretexto para ver Clarice novamente, Téo compra um livro da Clarice Lispector para dar de presente a ela. Vai até a sua casa e acabam discutindo quando Clarice revela que sabe da perseguição e que esse não seria a melhor para os dois se aproximarem.

    Como Clarice estava indo viajar para Teresópolis com o objetivo de se isolar para terminar de escrever o seu roteiro, Téo decide levá-la pra lá, acreditando que a convivência próxima fará com que ela enxergue que ele é a única escolha possível.

    A partir daí é que a verdadeira personalidade de Téo se revela, a história esquenta e conhecemos o psicopata que mora em nosso personagem. Téo passa a manter Clarice sedada, algemada e amordaçada para evitar que ela tente fugir ou pedir socorro. Sua mente doentia vai se revelando a cada página nas soluções que ele encontra para se livrar de tudo e todos que possam tentar atrapalhar o seu intuito de ficar com Clarice. Torturar psicológica e fisicamente é só o começo. Em nome da sua verdade, Téo poderá ser capaz de mutilar ou, até mesmo, matar.

    Cruel, sádico, mórbido, malvado, assustador... Sim, Téo é tudo isso. Mas o Raphael consegue mostrar que todos nós temos um pouco disso tudo quando as chaves certas são acionadas.

    A história é eletrizante, parar de ler é impossível. Por mais que você pense que Téo foi longe demais e queira largar a leitura, alguma coisa vai te inquietar para saber até onde ele é capaz de ir.  E olha que é muito longe mesmo!!! Já li muitas histórias de psicopatas, reais e fictícias, e posso afirmar sem medo de errar que Téo está entre os melhores!

    É uma leitura rápida, mas intensa. Os corações fracos sofrerão muito. Recomendado para todos que imaginam que o ser humano tem limites, aos que amam o gênero e aos que querem começar a ler policiais, thrillers e nacionais.

    19 comentários :

    1. Bem, nunca li um thriller que tivesse como foco as obsessões de um psicopata. Esse me chamou atenção desde a capa, e com o decorrer da leitura da resenha já tinha a certeza de que deveria ler.
      Essa paixão louca do Téo pela Clarice ao ponto de chegar a sequestrá-la e os tantos acontecimentos me deixou curiosa. Adicionei em minha lista de leitura e espero ler em breve.
      Bjs Drica!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Vc vai se surpreender com até onde ele é capaz de ir, Alê!

        Bjos!

        Excluir
    2. Oi Drica!
      Faz um bom tempo que estou com esse livro pra ler, mas estou me segurando.
      O único thriller que li foi No Escuro e gostei bastante e desde então me interessei pelo gênero.
      Tenho visto muitos elogios a esse livro e a trama é bastante interessante. Gostei muito da sua resenha e me instigou bastante com essa leitura.
      Espero gostar tanto quanto você.
      Abraço!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Não li no escuro, mas tenho certeza q vc vai amar Dias Perfeitos.

        Abraço!

        Excluir
    3. Oi Drica, sinceramente a capa e a sinopse não me chamaram a atenção mas mesmo assim sua resenha está incrível bjs.

      ResponderExcluir
    4. Sinceramente, eu não vi amor como a sinopse ressalta. Só consegui enxergar a obsessão de Téo por Clarice. Uma situação doentia e agoniante. Eu tbm estou a cada dia mais feliz com os autores nacionais que surgiram e Raphael é um deles.

      ResponderExcluir
    5. Adorei.
      Não imaginava do que se tratava esse livro.
      Théo é maluco, do mal total.
      Pobre Clarice.
      Fiquei com pena até da Gertrudes.
      E quis saber mais dessa amiga cadáver.
      Ele cuida da mãe tetraplégica e como ele faz isso sendo tão louco?
      Que ótima dica de leitura nacional Drica.
      Quero ler.

      ResponderExcluir
    6. Amei esse clima elétrico que o livro possui, com muito suspense e mistério! A premissa é simplesmente incrível, com essa coisa de obsessão doentia e com um personagem tão doido e psicopata! A trama parece boa demais. Abraços.

      ResponderExcluir
    7. Gostei de conhecer o livro, se não me engano já conheço o autora embora eu ainda não tenha lido nenhum de seus livro. Achei Dias Perfeito o livro bem interessante, não sou muito de ler o Gênero por isso acho que vou me supreender.

      ResponderExcluir
    8. Dei esse livro para uma amiga, quando vi a capa não dei nada por ele, mas agora que li a resenha me interessei mto! Adoro esses livros que mexam com o psicológico dos personagens e de nós leitores, gostei bestante e com certeza irei ler!

      ResponderExcluir
    9. Oi!
      Gostei muito da sua resenha o livro parece ser bem interessante e muito bem escrito pois parece um livro envolvente é eletrizante mas não é um gênero literário que gosto de ler !!

      ResponderExcluir
    10. Li uma resenha desse livro a muito tempo atrás (acho, nem me lembro). Gosto da capa e da proposta do livro, é algo diferente do que estou acostumada a ler. Adoro livros assim.

      ResponderExcluir
    11. Adorei a resenha do livro *o*
      Acompanho o trabalho do Raphael pelo facebook e ele é um amor com os fãs. A capa americana de Dias Perfeitos ficou linda. Confesso que nunca li seus livros, mas sinto muita curiosidade. Toda vez que leio uma resenha, minha curiosidade só aumenta. Dias Perfeitos me pareceu bastante eletrizante, cheio de suspense e fiquei impressionada em saber que Téo não é quem parecia ser e se revelou um psicopata.

      ResponderExcluir
    12. Oi Drica!
      O livro não faz meu estilo :/
      Mais super incentivo a leitura de autores nacionais, fico feliz que aos poucos você esteja se acostumando. Eu já tive alguns experiências ruins, mas no geral a maioria é tão boa ou melhor que os internacionais.
      Bjs

      ResponderExcluir
    13. Eu qro mto ler esse livro, realmente me prendeu atenção esse enredo... Todo esse envolvimento de Téo e Clarice...
      Espero conseguir ler em breve!
      Bjs

      ResponderExcluir
    14. Todo thriller tem que ter um ótimo personagem, senão seria muito sem graça. Vejo que nosso escritor entrou de cabeça na história o que tornou o livro muiiiiito bom. Após ler algumas resenhas, estou convencida que devo ler o livro, pois além de gostar do tema, gosto de ler autores brasileiros. Gostei da resenha.

      ResponderExcluir
    15. O livro parece ser bacana, mas me deu medo...Não curto muito livros que trazem sequestro como um dos temas principais..

      ResponderExcluir
    16. Olá...Nunca li nenhum livros nacional mesmo tendo um aqui na estante para ler, irei começa a ler ele em breve...agora esse livro e super legal, amei a sua resenha, sua forma de escreve e dizer sobre o livro...mas a historia de Teo com Clarice, é perfeitamente incrivel..!!

      ResponderExcluir
    17. Téo parece ser uma pessoa normal e tímida!! Mas é puro engano!! Clarice infelizmente vai conhecer de perto a maldade que habita nele. Dias Perfeitos é um daqueles livros que irá fazer com que as pessoas queiram saber o desenrolar desta trama até o final!!

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!