• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Lendo com a Dani: O Mirante, Michael Connelly

    No seu primeiro caso a serviço da Delegacia Especial de Homicídios de Los Angeles, o experiente detetive Harry Bosch se depara com um cadáver no mirante de Mulholland Drive. Logo ele descobrirá que o crime parece ter relação com uma grave ameaça à segurança nacional. E que sua lista de preocupações imediatas passará a incluir itens tão diversos quanto o roubo de uma grande quantidade de césio 137 e a necessidade de trabalhar em parceria com o FBI e com uma ex-amante.
    O Mirante (The Overlook)
    Autor: Michael Connelly
    Série Harry Bosch#13
    Suma de Letras (2007)
    196 páginas


    Eu já tinha lido deste autor Echo Park, e simplesmente achei viciante, eletrizante, um livro policial para não colocar defeito algum!

    E quado bati os olhos em O Mirante... ah eu tinha que ler e saber se não tinha sido sorte de principiante por ter lido um livro por recomendação.

    Mas gente: se não leu nada do Michael Connelly e adora um livro policial maravilhoso, eletrizante e envolvente, repare esse lapso, já, agora!
    Harry Bosch é um policial durão que, após certas complicações no caso de Echo Park, foi afastado e remanejado para a Delegacia Especial de Homicídios de Los Angeles.

    Hyeronymus Bosch, com seus cinquenta e seis anos, uns trinta como policial, uma língua afiada e sem medo de agir é um mocinho fácil de acompanhar e que nos conquista a ponto de esquecer o resto do mundo.

    Se não leu Echo Park, não precisa se preocupar, não há spoiler do livro, nem mesmo uma pista do que era o caso.

    Em O Mirante, Harry tem como parceiro Ignacio Ferras, um cubano americano que gosta de ser chamado de Iggy, mas Bosh não gosta da ideia. Por seu jeito destemido, ele e o parceiro têm algumas discussões mas, se não fosse assim, não seria o Harry.

    Quando o caso de assassinato de um físico médico acaba descambando para a segurança nacional, Bosch terá que respirar fundo e tentar trabalhar com o FBI.
    A verdade era que tivera tantos pega-pra-capar com os federais - muito antes de conhecer Rachel Walling - que provavelmente a ficha que tinham dele era grossa como uma ficha de homicídio.
    A questão é que o caso inteiro é cheio de brechas que, à medida em que ele vai investigando, surge uma nova peça. E quado você pensa que o resultado será um, ah meu amigo (a), você vai levar uma rasteira.

    Confesso que desconfiei de certa armação... mas ainda assim errei os detalhes.

    Gosto muito da Rachel, ela quer mostrar que é capaz de assumir o caso e fica uma arara com os métodos de Harry. O relacionamento deles é levemente mencionado, mas não é o foco.

    Michael Connelly é mestre em nos mostrar vários caminhos que o caso pode seguir e acabar por escolher um que ficou ali escondidinho, como um atalho, uma entrada difícil de enxergar.

    São 196 páginas de pura emoção e que, por incrível que pareça, transcorrem em aproximadamente doze horas!

    Adorei cada diálogo, cada artimanha, cada bravata do Harry. Tive um tanto de dó do Iggy e da Rachel por lidar com esse turrão, mas ele é muito bom no que faz!
    Estamos todos no bico do corvo, pensou. Uns mais perto do que os outros. - Harry Bosch -
    O Mirante tem uma narrativa com bastante ação, uma linha de raciocínio incrível de acompanhar, reviravoltas de nos deixar boquiabertos e uma resolução maravilhosa. O final... é eletrizante e digno de filme!

    Aliás, não me senti perdida então você pode ler fora de ordem! Nada de se desesperar!

    Uma dica: leia os agradecimentos para não perder um pouco mais do humor do autor.

    Curiosidade: Michael Connelly é um dos amigos de Richard Castle, da série Castle, eles costumam se reunir para jogar pôquer e discutir sobre seus livros e personagens. Além dele o Dennis Lehane e James Patterson, entre outros.

    Da esquerda para direita da tela: Michael Connelly, Stephen Cannel, Richard Castle (Nathan Fillion) e de costas James Patterson.




    9 comentários :

    1. Oi Dani, sou apaixonada por livros policiais, já ouvi falar deste autor, porém nunca li nada dele. As tramas policias que nos envolvem são justamente as que mantém o mistério do início ao fim, e que nos surpreende com o final. Com o tempo a gente acaba até pegando algumas coisas no ar, mas o principal deve ser mantido em segredo. Rsrs, gostei da história.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Priscila, esse foi o segundo livro que li do autor e não deixou a desejar. Ele tem cada ideia mirabolante para manter nossa atenção que desejo ler todos.
        Obrigada.

        Excluir
    2. Dani!
      Bem que achei o nome familiar, mesmo sem ter lido nada do autor, mas acompanho Castle diariamente...kkk
      Amo bons livros policiais e faz tempo que não me deparo com um tão bom.
      E por esse fato, estar decepcionada com os últimos que li, acabei deixando um pouco de lado o estilo, mas já anotei aqui para ir em busca dos livros do autor.
      “Para saber uma verdade qualquer a meu respeito, é preciso que eu passe pelo outro.” (Jean-Paul Sartre)
      cheirinhos
      Rudy
      http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Rudy,garanto que não tem espaço para decepção com o sr. Connelly. Leia sem dúvida.
        Obrigada.

        Excluir
    3. Olá, adoro livros do gênero policial e este parece ser envolvente e viciante como citado na resenha,espero ler em breve. Beijos.

      ResponderExcluir
    4. Oi, Dani!
      Nunca li nada do autor, mas fiquei bem interessada nessa obra. Gosto muito desse gênero e a premissa me conquistou.
      Adorei sua resenha, parabéns!
      Beijos.

      ResponderExcluir
    5. Oi! Ainda não li nenhum livro do gênero, tenho mta vontade de conhecer uma história boa como essa, parece mto boa...
      Adorei a resenha!
      Bjs

      ResponderExcluir
    6. Eu amo uma trama policial. Tem tempo que não leio nada do tipo, e esse parece mesmo ser ótimo. E, ahhhhhh, eu AMO Castle. Não tinha ligado o nome a pessoa, mas realmente, o Castle tinha mesmo a rodinha de pôquer. Só guardei o nome do James Patterson, que era o único que eu conhecia. Agora, não mais, hehe. Amei a dica!

      =)

      Suelen Mattos
      ______________
      Romantic Girl

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Suelen,eu adoro uma trama policial, creio que igual ou mais que romance histórico. Kkkkk.
        Castle tem um círculo de amigos muito interessante. Agora precisa ler algo dele. ;)
        Obrigada.

        Excluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!