• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • À convite: Ilmara Fonseca - Batom no Dente, Maria Helena Mossé

    A mulher e suas dúvidas, amores e dissabores. Batom no dente, livro de estreia da escritora e psicanalista Maria Helena Mossé, como o título sugere, traz uma galeria de personagens femininos em situações de insatisfação, inadequação ou expectativa. Afinal, o que querem as mulheres?, indagaria o fundador da psicanálise Sigmund Freud. A autora não tenta responder, mas apresenta, através de sua prosa madura e elegante, rica em recursos narrativos, protagonistas de variadas idades e classes sociais – inclusive dois homens preocupados com o que as mulheres e os amigos pensam deles – que se inquietam, questionam e se movem em busca de realizar seus desejos. Como a moça do interior que ascende a dondoca na Barra da Tijuca e vai procurar a amiga que a desafia, a ex-esposa que finalmente se livra do jugo subliminar do ex-marido, a mulher casada e entediada que sai para passear com o cachorro numa noite chuvosa e vislumbra um grande amor.
    Batom no dente
    Maria Helena Mossé
    Ano: 2016 
    Páginas: 108
    Editora: 7Letras

    O principal motivo que me levou a ler o livro de Maria Helena Mossé foi o fato de sua matéria-prima ser o feminino. Seus personagens são mulheres de todos os tipos e idades e seus dilemas, sonhos, desejos e vidas. Além disso, o gênero escolhido pela autora sempre me fascinou. 
    O conto traz essa brevidade e, ao mesmo tempo, exige uma proeza da narrativa para que você entre e saia daquela história e consiga absorvê-la, senti-la, apreendê-la de modo satisfatório e convincente. Então, definitivamente, escrever contos não é uma tarefa fácil, ainda mais quando se é uma estreante, como é o caso de Mossé. 

    O livro nos apresenta 21 contos, distribuídos em 108 páginas. São contos curtos e nos trazem uma miríade de personagens femininos e um mergulho nas suas emoções cotidianas, seus anseios, frustrações, sonhos e memórias. A autora utiliza recursos diferenciados para fazer isso e ora encontramos uma narrativa em terceira pessoa, ora em primeira pessoa, ora descrições mais longas, ora uma narrativa mais enxuta. 

    Sua forma de escrever se diferencia como se diferenciam as histórias que ela conta. Isso traz para a narrativa uma vivacidade, um frescor e ao mesmo tempo uma complexidade em esboçar esses diferentes retratos. O livro é caleidoscópico, mas ao contrário do que se possa pensar, não temos aqui uma colcha de retalhos. Os contos se encontram e se comunicam, pois sabemos que o feminino que habita cada mulher é uma energia universal. Há um amálgama bem feito pela autora e embora eu tenha percebido isso no decorrer da leitura, ao terminar o livro a sensação foi de unicidade. 

    Os contos apresentam uma linguagem simples e fluida e que faz a leitura ser rápida, ao mesmo tempo em que evoca a reflexão, pois a sensação é de se ver em cada uma dessas mulheres. Gostei de todos os contos, mas me chamaram a atenção em particular: Dulcinéia, que apresenta o desespero de uma menina que perde sua galinha de estimação em meio ao trânsito; A Senhora de Preto, que fala de memória e infância; Entre Lençóis, que apresenta uma excelente metáfora para falar de mudança e da insatisfação e o conto que dá nome ao livro, Batom no Dente que enovela em suas palavras a maturidade, as memórias e a amizade. 

    Batom no Dente é um livro bonito também em suas formas, com papel pólen, boa diagramação e uma revisão caprichada, que não nos dá “sustos” no decorrer da leitura. A capa também acrescenta ao conjunto uma excelente apresentação, convidando-nos a descobrir quem é essa mulher, que não tem nome e não tem rosto, mas também nos espelha e nos reflete. 



    16 comentários :

    1. Ilmara!
      Não conheço a autora, mas já gostei do livro por dois motivos: primeiro por abordar o nosso universo feminino sem discriminar idade ou seja lá o que for e depois por ser um livro de contos. Amo livros do gênero.
      Obrigada por sua análise.
      “Qualquer situação na qual você se encontre é um reflexo exterior do seu estado interior de existência.” (El Morya)
      cheirinhos
      Rudy
      http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
      TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

      ResponderExcluir
    2. Rudy, te convido a fazer esta leitura...você vai amar! A escrita de Mossé é envolvente e não há como não se espelhar e se ver nessas mulheres tão diferentes e ao mesmo temo tão parecidas conosco. Um Feliz Ano Novo para você, flor! ;)

      ResponderExcluir
    3. Oi!
      Não conheço obras da autora, mas já ouvi flarem mto bem de suas obras, espero conhecê-la em breve...
      Bjs

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Aline, experimente a leitura! Vai ser uma experiência muito boa, te aranto! Beijos! ;)

        Excluir
    4. Ilmara, achei bem interessante, como a Rudy disse, que os contos abordam todo o universo feminino, sem discriminar nada. Por o livro possuir apenas 108 páginas e serem 21 contos, acredito que a leitura foi leve e fluiu de maneira tranquila. Espero ter a chance de ler esse livro em breve depois dessa resenha.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Nicoli, o universo feminino é a matéria-prima de Maria Helena. Cada conto é uma descoberta diferente. Se puder, leia mesmo! ;)

        Excluir
    5. Contos é algo complicado pra mim.... Se a escrita do autor me cativar leio num piscar de olhos, mas se a escrita não fluir, demoro uma eternidade. Não conheço a autora. O tema feminino tem muitas formas de ser trabalhado o que pode tornar cada conto unico

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Thaynara, tenho certeza que a escrita da Maria Helena vai te fisgar! Beijos! ;)

        Excluir
    6. Achei interessante os contos se encontrarem e se comunicarem, é muito bom ter essas emoções e sentimentos que só as mulheres entendem. Gostei da diversidade de serem mulheres de idades diferentes, assim podemos nos colocar no lugar de cada uma.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Sim, você termina se encontrando nos personagens. Inclusive, há narrador masculino e a experiência do conto é uma delícia. É justamente esse amálgama em feito que faz o diferencial da Maria Helena, Maria. Um beijo! ;)

        Excluir
    7. Oooi!!

      Achei a proposta super legal, ainda mais por ter essa comunicação entre os contos...Mas eu não pretendo ler, pq contos em geral me deixam frustrada pq acabam muito rápido ahhahahaha

      bjbj
      Lá... E de volta outra vez

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Ah, se eu fosse você dava uma chance para o conto...a grande magia do gênero é justamente ser curto, mas contar uma história boa! Beijos! ;)

        Excluir
    8. Eu vou tentar dar uma chance esse livro mas sinceramente eu não me animei com ele

      ResponderExcluir
    9. Oi, Ilmara!
      Gostei de conhecer o livro, que aborda o universo feminino!! Sem dúvida vale a pena ler essa obra dessa escritora!
      Beijos

      ResponderExcluir
    10. Oi.
      Gosto de contos, apesar de não ter o costume de ler. Mas fiquei interessada no livro, parece uma leitura que realmente cativa.
      Se tiver oportunidade, vou dar uma chance a essa leitura e conhecer a escrita da autora.
      Dica anotada.
      Abraços.

      ResponderExcluir
    11. não conhecia a autora, e adorei o fato de ser um livro de contos
      pois assim podemos ver várias facetas do universo feminino
      espero ter oportunidade de ler em breve

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!