• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Leitura da Drica: A Ilha da Relíquia Sagrada


    Em 1544, a armada do corsário otomano Khayr al-Din Barba-Roxa assedia as costas da ilha de Elba, com o objetivo de libertar o filho do general, mantido como refém pelo príncipe da cidade de Piombino e do arquipélago toscano. Mas o verdadeiro interesse de Barba-Roxa não é o jovem e sim o segredo que ele esconde. Ele é, na verdade, o último guardião de um mistério que remonta aos tempos de Jesus e pode minar os alicerces da fé católica. Mas o Rex Deus está oculto há mais de quinze séculos e encontrá-lo não será tarefa fácil. O rapaz terá de seguir uma antiga pista deixada por um monge templário, em meio a rivalidades de corsários, intrigas palacianas e batalhas navais. E terá também de frustrar um complô da Confraria dos Escondidos, que deseja a todo custo pôr as mãos no antigo segredo.
    A ILHA DA RELÍQUIA SAGRADA
    Marcello Simoni
    Ano: 2017 
    Páginas: 360
    Idioma: português 
    Editora: Jangada


    Aventura, piratas, conteúdo histórico e um embate contra a fé católica, como não se render a esse livro???

    É isso que promete a sinopse de A ilha da relíquia sagrada. E cumpre.

    O livro é dividido em seis partes (Prólogo; O pacto; A chave; O Mosteiro; O Logro; A Relíquia) e totalmente narrado em terceira pessoa, com um narrador onisciente que nos deixa a par de todas as intrigas, planos e desejos mais íntimos de cada personagem.

    Somos levados ao mar da Toscana, o ano é 1534, quando um navio é abordado por piratas turcos liderados por ninguém menos que o Barba Roxa. Ele próprio e seus inimigos estão à procura de um segredo que, supostamente, será capaz de abalar a fé cristã. Mas não será fácil encontrar o Rex Deus, já que um grupo muito enigmático, os Escondidos, dão a vida para mantê-lo um segredo.

    Dez anos após o prólogo, somos apresentados ao nosso protagonista: Cristiano de Hercoli. Sua mãe havia sido sequestrada por piratas turcos e ele é fruto dessa ‘união’. Mas sua vida mudou quando os dois foram resgatados por Jacopo V Appiani, conde de Piombino, e tornaram-se cristãos.

    Cristiano é filho legítimo de Sinan, turco detentor de parte do segredo do Rex Deus que fez um acordo com o Barba Roxa: seu filho em troca das informações que ele tem conhecimento. Assim, Barba Roxa invade a Ilha de Elba para resgatá-lo.

    Depois de devastar a ilha, os piratas de Barba Roxa, liderados por Nizzam, ainda sequestra Isabel de Veja, por quem Cristiano é apaixonado.

    Após reencontrar o seu pai e vê-lo morrer em suas mãos pelo homem que acreditava tratá-lo como um filho, Cristiano renegada o cristianismo, assume o nome de seu pai e se junta à tripulação de Barba Roxa para encontrar o Rex Deus com o plano de protegê-lo do pirata.

    Para isso, Sinan fará um jogo muito perigoso, que é um dos clímax da história: ele deixará Barba Roxa sabendo apenas parte do que ele descobre a cada nova empreitada.

    Toda a história vai girar em torno dessa busca e das aventuras que os personagens dos vários núcleos terão que enfrentar. Nobres, piratas e religiosos querem o Rex Deus, cada um com sua motivação, em um cenário de muita aventura, muitas viagens, acordos secretos, religião e política. Ah, e tem romance também, porque não?


    1 comentários :

    1. Drica!
      Parece uma super aventura, onde acompanhamos com ansiedade para saber o que acontece.
      Usando suas palavras: "Aventura, piratas, conteúdo histórico e um embate contra a fé católica, como não se render a esse livro???"
      Claro que tenho de confeir.
      “Conhecimento sem transformação não é sabedoria.” (Paulo Coelho)
      Cheirinhos
      Rudy
      TOP COMENTARISTA DE SETEMBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!