• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Estante da Tata: Dirk Gently's Holistic Detective Agency: 2ª Temporada (Crítica)


    Sabe o que eu adoro em Douglas Adams? Que, no meio de todo aquele brilhantismo, às vezes, você se pega lendo algum absurdo tão grande que te faz pensar: “porque eu estou lendo/vendo isso mesmo?’’ ou então ‘’O que diabos está acontecendo aqui?´´ e o meu favorito ‘’quem são essas pessoas/alienígenas/outros que apareceram do nada?’’.

    A resenha da primeira temporada da série pode ser lida aqui.

    Mas, resumindo um pouco, Dirk Gentley é um detetive diferente de tudo que você conhece. Ele não acredita em correr atrás de pistas e evidências, mas sim na interconexão das coisas. Dirk é um detetive holístico, ou seja, ele acredita que todas as ações estão ligadas e que, uma vez que ele seja contratado para investigar um caso, tudo o que ele precisa fazer é sair por aí sem destino ou objetivo e o universo ira prover com as respostas.


    Quando você vai lendo o livro, várias situações, aparentemente aleatórias, são apresentadas. Você conhece vários personagens desconexos e passa metade do livro sem entender NADA para, então, ver tudo se unir perfeitamente de uma forma aparentemente impossível.

    ''Eu não estou entendendo nada que está acontecendo aqui e eu amo isso''
    Cena real da serie.

    A série da Netflix não adapta nenhum dos livros publicados mas usa da concepção do detetive para criar novos casos. Alguns diálogos dos personagens são frases famosas dos livros e existem momentos em que o Dirk faz menção aos seus antigos casos. Fora isso, a série é um conteúdo completamente novo que se passa anos depois do final do terceiro e último livro.

    A segunda temporada de Dirk Gentley começa assim, sem NENHUM sentido aparente. Para vocês terem ideia, eu, inclusive, achei, por alguns minutos, que estava vendo a série errada, uma série insana e esquisita mas,  ainda assim a série errada. Mas então, um cara (príncipe/elfo/fazendeiro/membro perdido do Menudo?) de cabelo rosa, com uma espada em formato de tesoura gigante (não me façam perguntas difíceis), começa a lutar e a cortar os dedos de um povo estranho e ai sai correndo gritando o nome de Dirk e ai tudo fez muito menos sentido e eu tive certeza que estava vendo a serie certa.

    Mas basicamente é o seguinte: tudo começa com um outro mundo no meio de uma guerra e uma profecia, uma profecia que dita que apenas um garoto poderá salvar aquele mundo da destruição e que a pessoa que encontrará aquele garoto será Dirk Gentley.

    Ok, esse é o nosso alvo.


    No final da primeira temporada, Dirk é capturado por uma agência do governo (que é liderada por um agente que não tem a minima ideia do que está fazendo) que tenta estudar e controlar pessoas com habilidades especiais. Além de Dirk, outros personagens da primeira temporada, como os vampiros punk rock, são presos e reaparecem, mas além deles, a temporada acaba introduzindo novos personagens e suas habilidades estranhamente especiais (como a menina que podia se tornar qualquer coisa mas resolveu virar uma cadeira por 6 anos).

    Mas voltando a história, Dirk acaba conseguindo fugir e lhe é entregue um novo caso. Ele precisa encontrar um garoto, ele não sabe qual, de que idade, que nome, de onde desapareceu ou qualquer informação concreta, mas tudo bem, porque o universo irá prover as respostas.

    De uma forma ou de outra, Dirk, Todd, Farah, a assassina holística (que agora está testando uma nova filosofia de vida na qual ela não mata todo mundo, só algumas pessoas) (melhor pessoa) e o cara do cabelo rosa acabam se encontrando em uma pequena estranha cidade onde navios aparecem no meio de um campo (sem nenhuma explicação plausível), pessoas desaparecem e são encontradas décadas depois, policiais não saber fazer coisas de policiais e varinhas mágicas e livros de magia negra circulam por aí.

    ''Ken, eu acho que tenho que te contar.. 
    O universo meio que está me fazendo sentir que eu deveria matar você agora.''

    Contando com essa, foram três vezes que eu não matei você. 
    Quero dizer, isso basicamente faz de nós melhores amigos.

    Infelizmente eu não tenho como explicar mais do que isso para vocês, não quando a melhor parte da série é começar a desvendar o mistério e juntar as peças.

    Escute. Eu  estou sentido uma dessas emoções onde, como eu coloco isso..
    Eu estou ativamente me arrependendo de todas as  decisões que me levaram á este momento 

    Mas, de verdade, de coração, vejam, vale realmente muito a pena (e as duas temporadas estão disponibilizadas na Netflix).

    Para vocês terem ideia, eu, que tinha ficado um pouco em cima do muro com a primeira temporada da série (fã de livro sempre é chatinho quando vai ver as adaptações né? eu não fujo a regra), preciso dar o braço a torcer e dizer que essa segunda temporada foi triunfal, foi maravilhosa. Eu ri, eu chorei de rir, eu fiquei louca de curiosidade para descobrir as pistas, eu ri mais um pouco e me maravilhei.

    Na minha humilde opinião de quem não sabe de nada, eu acho que Douglas Adams, se estivesse vivo, teria realmente adorado essa segunda temporada e teria se perguntado ‘’Tem certeza que eu realmente não escrevi isso?’’.

    E isso é o quanto eu recomendo essa serie para vocês.



    Ps: No primeiro livro Dirk investiga um caso de assassinato que envolve um sofá preso em um corredor e como isso tem relação com um gato perdido e a possível aniquilação da raça humana. No segundo livro Dirk investiga um assassinato movido a contrato que envolve uma águia gigante e Thor (sim, o deus nórdico). Você pode ver as minhas resenhas dos livros da série Dirk Gentley e os demais livros de Douglas Adams aqui:

                *  O Guia Definitivo do Mochileiro das Galáxias (contém os 5 livros da série)
                *  A Longa e Sombria Hora do Chá
                *  O Salmão da Duvida

    Ps: Todas as imagens nesse post correspondem a algumas das cenas da série.

    9 comentários :

    1. Confesso que não conhecia a série e nem os livros :/ Talvez por ser um gênero que não veja tanto, passaram despercebidos, livros e série.
      Mas mesmo assim, gosto muito e só não sobra tempo nessa minha grade enorme de séries atrasadas.rs
      Mas vou colocar o nome dela na fila e quem sabe eu não consiga me dar mais tempo(promessa de final de ano)

      Beijo

      ResponderExcluir
    2. Me pareceu o estilo de série que nos arranca boas risadas, mas que nos desperta um misto de emoção. Eu também desconhecia tanto a adaptação, quanto os livros, e ao ser sua resenha, me senti um pouco perdida, por não saber muito do que se tratava, mas vejo que e um detetive, que ao investigar os acontecimentos, demonstrar para o leitor, ou telespectador como se estivesse perdidos, porém aos poucos as peças vão se encaixando, e esta e a surpresa da trama. No momento não me interessei muito, porém quem sabe futuramente não dou uma chance.

      Venha participar do sorteio de um kit da caixinha da TAG Livros http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir
    3. Tata!
      Gosto muito do Douglas Adams, embora não tenha lido o livro ou assistido essa série, mas deve ser bem hilária mesmo e vale a pena.
      Estou com você, ele aas vezes traz trechos tão esdrúxulos que não tem como não rir de algo tão extraordinário...
      Desejo uma semana mais que abençoada e Novo Ano repleto de realizações!!
      “Meta para o Ano Novo? Ser feliz!” (Desconhecido)
      cheirinhos
      Rudy
      1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

      ResponderExcluir
    4. Eu não conhecia esta série, achei bem diferente que no livro várias situações, aparentemente aleatórias são apresentadas, tem vários personagens desconexos e acaba tudo se unindo perfeitamente, eu não sei se leria os livros ou assistiria a série, pois parece ser meio confuso, apesar de diferente.

      ResponderExcluir
    5. Olá! Confesso que não conhecia os livros, nem a série e que fiquei perdidinha com essa resenha (risos). Mas perdida num bom sentindo, não entendi muita coisa, mas fiquei muito curiosa para entender (tipo, entendeu?). Vou caçar a série e me inteirar melhor da história, pelo menos o riso vai ser garantido.

      ResponderExcluir
    6. Oi Tatá!
      Não me mate, mas não conheço nada do Douglas Adams, mesmo vendo vários comentários positivos sobre ele.
      A série parece do tipo que nos faz rir bastante, imagine encontrar alguém da qual você não tem nenhuma informação? Rsrs. Vou procurar pra assistir.
      Beijos

      ResponderExcluir
    7. Ai Elijah lindooooooo...
      adorei parte "achei, por alguns minutos, que estava vendo a série errada, uma série insana e esquisita mas, ainda assim a série errada. Mas então, um cara (príncipe/elfo/fazendeiro/membro perdido do Menudo?) de cabelo rosa, com uma espada em formato de tesoura gigante (não me façam perguntas difíceis), começa a lutar e a cortar os dedos de um povo estranho e ai sai correndo gritando o nome de Dirk e ai tudo fez muito menos sentido e eu tive certeza que estava vendo a serie certa" ri bastante quando li isso. Nunca tinha ouvido falar dos livros e nem da série, mas gostei bastante parece que podemos dar várias risadas com ela, já vai para a minha lista de quero ver.

      ResponderExcluir
    8. Eu não gostei muito dessa série apesar de ela ter sido recomendada por vários amigos meus eu tentei começar a assistir mas acabei desistindo a série não me chamou atenção não me atraiu pelo conteúdo então eu acabei abandonando

      ResponderExcluir
    9. Curti sua colocação e gostei muito. Vou assisti a série, acho que é bem engraçada, mesmo sem sentido quero assisti. Não conhecia o livro, mas vou atrás da série primeiro.

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!