• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Behind the Bars, Brittainy C. Cherry


    When I first met Jasmine Greene, she came in as raindrops.
    I was the awkward musician, and she was the high school queen.
    The only things we had in common were our music and our loneliness.
    Something in her eyes told me her smile wasn’t always the truth.
    Something in her voice gave me a hope I always wished to find.
    And in a flash, she was gone.
    Years later, she was standing in front of me on a street in New Orleans.
    She was different, but so was I. Life made us colder. Harder. Isolated.
    Caged.
    Even though we were different, the broken pieces of me recognized the sadness in her.
    Now she was back, and I wouldn’t make the mistake of letting her go again.
    When I first met Jasmine Greene, she came in as raindrops.
    When we met again, she was the darkest storm.
    Behind The Bars
    The Music Street #1
    Brittainy C. Cherry
    Ano: 2017 
    Páginas: 373
    Idioma: inglês
    Editora: Brittainy C. Cherry
    “Who knew things could be painful beautiful?”
    When we talk about Brittainy C. Cherry, we talk about an emotional journey towards the perfect end and after you read this blurb there is no way to doubt what lies ahead, is not it?

    This time she brought in her famous lyricism, wordplay, phrases of effect and emotional load that bordered on the limit, she came with a dense and strong book showing how the same situation can have several points of view, how forgiving is difficult, how it is complicated to rise from the ashes and how it can be painful and almost impossible to get out of the darkness.
    Jasmine has lived a life span under a constant, neurotic control of her mother to succeed in the artistic world. She has in Ray her safe haven and relief from sadness, but by meeting the shy and isolated Elliot, a boy who is constantly bullied at school and has a wonderful gift when playing his saxophone.

    Elliot can not believe when the popular, perfect and beautiful Jasmine approaches him with her sweetness and optimism and ends up becoming his best Jazz song.

    Their friendship grows just like bullying and pressure on Jasmine to achieve stardom and in different tragic moments their lives will be transformed forever.

    The book features striking and engaging secondary characters set in a plot that leads to the most callous of the readers to be moved and to us who are Brit's fans to wring a tight heart so that everything works out in the end.

    I talked to two friends during the reading and it's amazing how each one was touched in a different way. Rebeca fell passionately in love with the couple and especially Elliot, Jo of the LivrosaGogo loved and me this little cat here was amazed by the flood of events that flooded this musically romantic and suffering story bringing to the surface the city of New Orleans and its life buzzing.

    It was wonderful each time that I read a different sense to the word Bars and more wonderful to see a complex and enigmatic character that was neither stereotyped nor caricatured and even steeped in the more than dark side of the force managed with much support and love to return to the surface and breathe again.

    Na primeira vez que encontrei Jasmine Greene, ela veio como pingos de chuva.
    Eu era o estranho músico, e ela era a rainha do colégio. As únicas coisas que tínhamos em comum eram nossa música e nossa solidão.
    Alguma coisa em seu olhar me dizia que seu sorriso não era verdadeiro. Alguma coisa em sua voz me dava a esperança que sempre desejei encontrar.
    E em um instante, ela se foi.
    Anos depois, ela estava parada na minha frente em uma rua em Nova Orleans. Ela estava diferente, mas eu também. A vida nos fez mais frios. Duros. Isolados.
    Presos.
    Mesmo que estivéssemos diferentes, as minhas partes quebradas reconheceram a tristeza nela. Agora ela estava de volta e eu não cometeria o erro de deixá-la ir novamente.
    A primeira vez que encontrei Jasmine Greene, ela veio como pingos de chuva. Quando nos encontramos de novo, ela era a tempestade mais sombria.
    “ Quem imaginaria que as coisas poderiam ser tão dolorosamente bonitas?”
    Quando falamos de Brittainy C. Cherry, falamos de uma jornada emocional rumo ao final perfeito e, depois de você ler essa sinopse ai, não tem como ter dúvida do que vem pela frente, não é mesmo?

    Desta vez, ela trouxe além do seu famoso lirismo, jogos de palavras, frases de efeito e carga emocional que beiram o limite, ela veio com um livro denso e forte mostrando como uma mesma situação pode ter vários pontos de vista, como perdoar é difícil, como é complicado ressurgir das cinzas e como pode ser doloroso e quase impossível sair da escuridão.

    Jasmine viveu a vida toda numa redoma, sob o controle constante e neurótico da mãe para fazer sucesso no meio artístico. Ela tem em Ray seu porto seguro e alívio na tristeza até conhecer o tímido e isolado Elliot, garoto que sofre bullying constantemente na escola porém que tem um dom maravilhoso para tocar  saxofone.

    Elliot não consegue acreditar quando a popular, perfeita e linda Jasmine se aproxima dele com sua doçura e otimismo e acaba se tornando a sua melhor canção de Jazz. 

    A amizade dos dois cresce assim como o bullying e a pressão sobre Jasmine pra alcançar o estrelato e em momentos trágicos distintos as vidas deles se transformará para sempre.

    O livro traz personagens secundários marcantes e envolventes emaranhados numa trama que leva até o mais insensível dos leitores a se emocionar e a nós, que somos fãs de carteirinha da escritora, a torcer de coração apertado para que tudo dê certo no final.

    Conversei com duas amigas durante a leitura e é impressionante como cada uma com que conversei foi tocada de uma forma diferente. Euzinha, pobrezinha aqui, fiquei espantada com a enxurrada de acontecimentos que inundou essa história musicalmente romântica e sofrida trazendo à tona a cidade de New Orleans e sua vida fervilhante.

    Foi maravilhoso, cada fez que eu lia encontrava um sentido diferente para a palavra Bars (no sentido de grades, de aprisionamento interno, de partituras, bares) e mais maravilhoso ver um personagem negro complexo e enigmático que não foi estereotipado nem caricatural e que, mesmo mergulhado no lado mais que escuro da força, conseguiu com muito apoio e amor retornar a superfície e respirar novamente.
    Pena que não conectei muito com o casal principal como casal, apenas separadamente interagindo com os outros personagens e tem uma cena específica na primeira parte que me chocou dai me fez tirar alguns pontos na história.

    Já soube que esse será o próximo lançamento da escritora aqui no Brasil em junho deste ano e melhor ainda soube que mantiveram essa capa, que transmite bastante a atmosfera da trama e toda sua “ginga.”

    Beijos, Myl


    2 comentários :

    1. Sem sombra de dúvidas, a capa é um espetáculo!E como gosto demais de estórias que trazem personagens marcados por um passado tortuoso e sombrio, já adorei de cara poder conferir a resenha.
      Só quem já sofreu muito, se fecha quase que por completo. Mas quando dá chance a uma nova experiência, isso é realmente para valer.
      Se tiver oportunidade, quero muito poder conferir.
      Beijo

      ResponderExcluir
    2. Olá!!!
      Posso dizer que me encantei imediatamente pela capa do livro e fico feliz que já que irá ser lançado aqui irão manter a capa ^^
      Os livros da autora sempre trazem algo para ensinar e os personagens sempre tem essa pegada de ter que ir se fortalecendo aos poucos.
      Estarei no aguardo do lançamento para ter acesso ao livro ^^

      lereliterario.blogspot.com

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!