• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • O beijo traiçoeiro, Erin Beaty

    Com sua língua afiada e seu temperamento rebelde, Sage Fowler está longe de ser considerada uma dama — e não dá a mínima para isso. Depois de ser julgada inapta para o casamento, Sage acaba se tornando aprendiz de casamenteira e logo recebe uma tarefa importante: acompanhar a comitiva de jovens damas da nobreza a caminho do Concordium, um evento na capital do reino, onde uniões entre grandes famílias são firmadas. Para formar bons pares, Sage anota em um livro tudo o que consegue descobrir sobre as garotas e seus pretendentes — inclusive os oficiais de alta patente encarregados de proteger o grupo durante essa longa jornada. Conforme a escolta militar percebe uma conspiração se formando, Sage é recrutada por um belo soldado para conseguir informações. Quanto mais descobre em sua espionagem, mais ela se envolve numa teia de disfarces, intrigas e identidades secretas. E, com o destino do reino em jogo, a última coisa que esperava era viver um romance de tirar o fôlego.
    O Beijo Traiçoeiro
    Traitor's # 1
    Ano: 2017 
    Páginas: 440
    Idioma: português 
    Editora: Seguinte

    Primeiro livro da trilogia Traitor’s, O Beijo Traiçoeiro é uma mistura boa de romance e mulheres fortes regado a fortes emoções.

    Nossa protagonista é Sage Fowler. No mundo de Sage os casamentos são decididos por uma casamenteira, é ela que é responsável por unir as pessoas certas para o bem do casal e de todo o reino. Ser casamenteira é como ser um diplomata.

    “- Ser casamenteira é basicamente um trabalho de interpretar pessoas, coletar informações e tentar entendê-las, e você tem talento para isso. Além do mais, não é uma rejeição de verdade se você não pretendia se casar. Pense nisso como um jogo que ganha quem tiver a pontuação mais baixa.”
    Mas Sage é diferente (graças à Deus!!!), ela não quer se casar. Pelo menos não com um casamento arranjado. Na verdade, ela é um tanto temperamental, mas muito inteligente e decidida, uma verdadeira Elisabeth Bennet. Sage quer ter a oportunidade de, como os seus pais, escolher o seu próprio marido. Por falar em pais, Sage é órfã e mora com o tio, dá aula para os primos menores e, em um episódio hilário, arruína todas as suas chances de ter um casamento arranjado mas ganha um emprego: assistente de casamenteira aos 16 anos.

    Sua primeira grande tarefa ao lado de Dassara, a casamenteira, é se passar por uma lady enquanto observa as jovens nobres candidatas ao casamento para fazer os arranjos certos para um bom casamento. Assumindo uma identidade diferente, Sage viaja para o Concordium sob a proteção da guarda muito especial. Mas a real missão dos soldados é averiguar quem estaria por trás de um possível atentado contra o Rei.

    Pronto! Temos um bom enredo. Juro que, em alguns momentos, até pensei que o livro ia cair no romance clichê da menina que diz que não quer casar, mas já tem até o vestido de noiva comprado rsrsrsrs. Mas a escrita da Erin Beaty me surpreendeu. Ela conseguiu me fazer ler romance porque ele está totalmente mergulhado em uma ótima história de aventura, cheia de reviravoltas e personagens incríveis.

    Mesmo narrado em terceira pessoa, o livro alterna a narração através da visão de vários personagens, o que te ajuda a tentar antecipar alguns eventos. Cuidado, nem sempre o que você deduzir, mesmo que você seja uma leitora experiente, acontecerá na próxima página. A autora acaba puxando o seu tapete com tanta delicadeza que você ficará feliz por ter deduzido errado.


    Mas preciso falar de Sage. Ela é mais uma personagem feminina que ganha o meu coração! Ela poderia ter escolhido o caminho fácil e ter arranjado um bom casamento, seria sustentada pelo marido e levaria uma vida tranquila e morna. Só que ela viu como funcionava o amor verdadeiro através do amor dos seus pais, e se recusou a ter menos do que vivenciou. Tem como não amar???


    2 comentários :

    1. Eu já perdi as contas de quantas resenhas eu li deste livro.rs Mas a cada nova resenha, eu sinto mais vontade de conhecer personagens tão desenhados.
      Não, não é um romance clichê, é um romance com história. E isso talvez seja o diferencial que fez a autora ganhar tantos fãs.
      A capa também é um show à parte e eu espero poder conferir ele em breve.
      Beijo

      ResponderExcluir
    2. Olá Drica!!!
      Eu estava um tanto temerosa em colocar esse livro na minha lista de livros que queria ler até eu ver uma resenha que me fez ter certeza que talvez gostasse da obra, mas uma vez vejo que estou certa em deixar ele na lista e quando surgir a oportunidade lê-lo.
      Amo essas mocinhas tipo Elisabeth Bennet, pois amo demais a personagem escrita por Austen então talvez esta também me conquiste.

      lereliterario.blogspot.com

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!