• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Barcelona não é Espanha, Márcio Menezes

    "Barcelona não é Espanha" é fruto de oito anos de exílio voluntário do escritor na capital catalã. O romance narra a aventura de um ex-estudante de teatro que chega, com a namorada, em Barcelona na primavera de 2002. A partir de subempregos (desde iluminador de espetáculos pornô a ator de filmes universitários, entre outros), para garantir a cidadania espanhola, o imigrante ilegal é envolvido em incidentes em toda a capital catalã. À medida que vai entendendo a cidade, contudo, ele percebe que o desafio da moderna Barcelona é acolher todos os imigrantes, visto que, em geral, seu povo desaprova o salto à modernidade.
    Barcelona não é Espanha
    Márcio Menezes
    Ano: 2018 
    Páginas: 226
    Idioma: português 
    Editora: Rubra

    Viver na Europa é o sonho de muitas pessoas, porém é difícil imaginar a realidade de um lugar diferente do qual vivemos. Barcelona pode parecer linda de fora, mas o que mancha sua imagem é a xenofobia e a grande diferença social bastante presente. E, por mais que Barcelona esteja inclusa na Espanha, Barcelona não é Espanha.

    Aqui conheceremos um imigrante que veio acompanhar sua namorada Antônia enquanto ela fazia intercâmbio na cidade. Vivendo ilegalmente no país e necessitando de dinheiro, o brasileiro (não me lembro do autor ter lhe dado um nome, então tratarei dessa maneira) se vira do jeito que pode: doando sêmen, trabalhando em bares pornôs e até mesmo roubando quadros.

    Seu relacionamento com as mulheres é um pouco perturbado. Antônia vai embora e lhe deixa com as mãos nas costas (não gostei dela desde o primeiro momento); Núria, uma paquera local, acabou de sair de um relacionamento conturbado, que só fez piorar após o suicídio do coitado do seu ex-namorado. Esse infortúnio despertou a fúria de um policial que promete a morte do brasileiro.

    Essa vida de imigrante não é fácil, e a forma mais gradativa de conseguir dinheiro é aceitando os serviços do argentino Pablo Wood: surrupiar obras valiosas de arte para criar cópias para prazeres próprios. Arriscado? Sim. Necessário? Obviamente. Irrecusável? Sem sombras de dúvidas.

    Viver na pele de um imigrante ilegal, seguido por policiais loucos e correndo o risco de ser preso por roubo de pinturas valiosas, nosso brasileiro vai saborear uma Barcelona que não estamos acostumados a ver. Vivendo entre os sem-teto e desfrutando das maiores surpresas catalãs, Barcelona não é Espanha vai nos surpreender em um instante.

    A história é narrada em primeira pessoa, com uma característica humorada e bem próxima, vamos nos envolvendo ao personagem e seus conflitos internos. Simpatizei com o brasileiro por causa do seu jeito simples e despreocupado de viver, e confesso que me senti atraído pela sua coragem.

    Conhecer a Espanha pelos seus olhos me deu uma nova perspectiva sobre Barcelona. Um local onde o preconceito para os imigrantes é bastante claro. Compará-lo ao nosso país me deixou triste, afinal, o que custa ser gentil?

    Uma história suave e divertida, com um brasileiro que você pode encontrar tomando um café na rua, Barcelona não é Espanha nos deixará com um calor no coração e uma emoção de ser brasileiro em qualquer lugar!


    12 comentários :

    1. Não gostei. Não consegui me apegar à história e nem senti curiosidade de conhecer o livro profundamente.

      ResponderExcluir
    2. Gostei da foto mas não me interessei pelo livro
      Para mim parece ser um pouco chato

      ResponderExcluir
    3. Sou fascinada por Barcelona! rs Desde que aprendi a visualizar com a imaginação todo o cenário que Záfon desenha em seus livros, me apaixonei pelo lugar. Vivo caçando imagens na net, só pra viajar!
      Sei que talvez nunca vá lá de fato,mas já tá bom assim.
      Claro, eu falo da parte visual, não da parte de cultura, de tabus, pré conceitos.
      Mesmo assim, adorei o que li acima, por trazer um pouquinho de uma experiência que talvez já tenha sido vivida por algum de nós!
      Lerei se tiver oportunidade!!!
      Beijo

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Que legal essa sua vontade! Vou torcer para que seu sonho se realize, e cuidado com os xenófobos kkk

        Excluir
    4. Nossa, não imaginava que as coisas eram dessa forma por lá.
      É uma história real, e achei interessante que tenha conseguido dar uma suavidade e descontração.
      Só não sinto interesse em ler no momento.

      Beijos

      ResponderExcluir
    5. Minho!
      Infelizmente o preconceito com os imigrants permeia toda Europa, digo isso porque minha filha é noiva de um rapaz na Espanha e ela diz que lá, quando sabem que ela é brasileira, ficam torcendo o rosto.
      Deve ser um livro rico e interessante.
      cheirnhos
      Rudy

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Esse livro foi um dos meus favoritos do mês! Obrigado!

        Excluir
    6. Gostei muito da premissa e do tema do livro. A Xenofobia é um problema atual e que acontece não só na Espanha, mas eu toda a Europa. Não deve ser fácil viver de forma ilegal em um país diferente e ainda ter que lidar com a falta de apoio, dentre tantas outras coisas. A única coisa que não gostei foi o fato do personagem brasileiro ter que realizar "trambiques" para conseguir se sustentar lá fora. Sei que isso acontece, mas em um livro, reforça o estereótipo que os brasileiros tem de espertalhões, malandros, dentre outros estereótipos negativos.
      Besitos! ;)

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Concordo com suas palavras, amiga. É difícil criar uma imagem decente quando ela está sempre suja por causa de certas pessoas. Obrigado!

        Excluir
    7. Me parece se um livro meio pesado, mas é a realidade, né? Só parar para pensar que tem tantas pessoas mundo afora que passam por situações até piores...

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!