• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Graça e Fúria, Tracy Banghart

      Duas irmãs lutam para mudar o próprio destino no primeiro volume de uma série de fantasia repleta de romance, ação e intrigas políticas. Em Viridia, as mulheres não têm direitos. Em vez de rainhas, os governantes escolhem periodicamente três graças — jovens que viveriam ao seu dispor. Serina Tessaro treinou a vida inteira para se tornar uma graça, mas é Nomi, sua irmã mais nova, quem acaba sendo escolhida pelo herdeiro. Nomi nunca aceitou as regras que lhe eram impostas e aprendeu a ler, apesar de a leitura ser proibida para as mulheres. Seu fascínio por livros a levou a roubar um exemplar da biblioteca real — mas é Serina quem acaba sendo pega com ele nas mãos. Como punição, a garota é enviada a uma ilha que serve de prisão para mulheres rebeldes. Agora, Serina e Nomi estão presas a destinos que nunca desejaram — e farão de tudo para se reencontrar.
    Graça e Fúria
    Graça e Fúria #1
    Ano: 2018
    Páginas: 304
    Idioma: português 
    Editora: Seguinte

    “Não é uma escolha quando você não tem liberdade de dizer não. Um 'sim' não tem nenhum valor quando é a única resposta que você pode dar!”

    Gente, como é difícil escrever sobre um livro que você ama! Graça e Fúria é, sem sombra de dúvidas, um dos melhores livros que eu li em 2018! E você vai ver que eu tenho motivos para classifica-lo como tal. Venha ver.

    Graça e Fúria é um livro de fantasia, mas o seu tema principal está bem presente na nossa realidade: o papel da mulher na sociedade. Em Viridia vivem as irmãs Serina e Nomi, lá as mulheres servem apenas para servir aos homens. Não podem estudar, não aprendem a ler e não podem se pronunciar em nada.

    “A lei proibia que as mulheres lessem. Na verdade, a lei proibia que fizessem praticamente qualquer coisa além de parir, trabalhar em fábricas e limpar a casa de homens ricos. Nomi não conseguia aceitar aquilo.”

    Serina é escolhida para ir ao baile do herdeiro, onde ele escolherá suas três primeiras Graças. Ela acredita que sendo escolhida poderá dar uma vida mais confortável à família pobre e poderá cuidar de perto de Nomi, que, muito contra a sua vontade, é a sua aia.

    Num daqueles cochilos do destino que ferram com tudo, Nomi se encontra com o herdeiro e seu irmão e, ao confrontá-los, vai mudar tudo. Nomi acaba sendo escolhida Graça no lugar de Serina, que passa a ser sua aia. Mas como miséria pouca é bobagem, as duas irmãs serão pegas com um livro, o que é terminantemente proibido às mulheres, e Serina levará a culpa pela irmã e irá para a prisão.

    Nomi terá que atuar como Graça, aprender a ser delicada, a dançar, a falar pouco. Enquanto isso, ela fará de tudo para descobrir o que aconteceu com Serina e para onde ela foi levada. E ela vai despertar o interesse do herdeiro Malachi e do seu irmão Asa.


    A partir da separação das duas teremos duas narrativas, e isso é fantástico! Você terá a oportunidade de conhecer, junto com as próprias personagens, que nem imaginam a força que tem, quem elas são verdadeiramente e do que são capazes para cuidar de si próprias e de quem elas amam e de se defenderem de um sistema opressor onde, no fundo, elas são mais temidas do que ignoradas.

    Empoderamento e girl power total você encontra aqui! Mas não é aquele de militância de redes sociais não! É empoderamento de entender que as mulheres, quando se tratam com sororidade, são capazes de transformar suas realidades.

    “— Minha mãe me criou para nunca confiar em outras mulheres, porque sempre estaríamos competindo por algo. Mas não é verdade. Veja como cuidamos umas das outras aqui. — Ela encontrou Tremor entre o bando. — Nós nos curamos. — Ela olhou para Jacana. — Dividimos comida. — Ela pensou em Petrel. — Morremos umas pelas outras. ”

    E isso foi uma das coisas que mais amei no livro. Além da construção da fantasia e todo o seu enredo serem excepcionais, a forma como suas protagonistas atuam é apaixonante. Elas não apenas mulheres badass (aprendi com Renatinha!!!) que tiveram que lutar para sobreviver como Catniss Everdeen (amo!!!). Elas são mulheres que tiveram que se tornar fortes apenas para sobreviver como mulheres. E quando elas te mostram do que são capazes, cada uma do seu jeito, você sente que pode transformar o mundo!


    “ – Acho que as mulheres nesta prisão, neste país, vão se rebelar um dia. Meu pai costumava dizer que a opressão não é um estado final. É um peso que se carrega até que não se possa mais. E ele então é removido. Não sem esforço, não sem dor. Mas meu pai acreditava que toda opressão sempre, sempre seria combatida e superada. E não era o único tentando mudar as coisas.”

    Não quero comparar Graça e Fúria a nenhum outro livro que fale do mesmo tema ou que tenha mulheres fortes como protagonistas porque acho que ele é um livro único. A forma com Viridia e seu universo de personagens foi construída traz uma singularidade ao texto que o torna uma obra prima, leitura obrigatória em tempos tão difíceis...


    “ ... Sempre pensara que não havia valor em resistir, que não adiantaria de nada. Mas sua irmã estava certa. Valia a pena se rebelar, só o ato de resistir podia mudar o mundo. E elas iriam mudar o mundo.”


    9 comentários :

    1. Eu já estava querendo muito ler esse livro!
      Em breve vou comprar, estou muito ansioso
      E com essa resenha fique com mais vontade ainde de ler!!

      ResponderExcluir
    2. Não vejo a hora de poder ter e ler este livro. O que no início era apenas pela capa super linda, se tornou também pela história bem diferente das convencionais.
      Trazer irmãs diferentes não é algo tão inovador, mas a forma como elas foram mostradas aqui neste livro, é o grande diferencial!!!
      Lerei com certeza!
      Beijo

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. O inovador é a temática feminista que aborda como a mulher é sempre tido como inferior.

        Excluir
    3. Ah, já estou ansiosa para ler esse livro, depois dessa resenha minha vontade só aumentou.
      Tão bom saber dessa força e desse crescimento que elas vão ter. Amo personagem Girl Power.

      Beijos

      ResponderExcluir
    4. Drika!
      Achei que já tinha comentado nessa resenha, mas vamos lá...
      Gostei muito de todo plot do livro e chocada em ver uma sociedade onde a mulher é uma 'coisa', afinal não pode nada, a não ser satisfazer as vontades e necessidades dos homens.
      Bom saber que há um amadurecimento de ambas protagonistas no decorrer do livro e confesso que fiquei bem curiosa por fazer a leitura.
      cheirinhos
      Rudy

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. O desenvolvimento das garotas e como a forma de cada uma enxergar o mundo é uma verdadeira catarse!

        Excluir
    5. Me enganei! Quando vi a capa, jurava ser mais um livro de romance.
      Ah, e é isso que chamado de empoderamento! kkk

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!