• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Capacetinho Vermelho, Lilia Rodrigues

    Em um reino nada distante daqui, mora uma jovem muito descolada e moderninha chamada Capacetinho Vermelho. Dizem por aí que ela é tatatatatataraneta de uma conhecida senhora chamada Chapeuzinho Vermelho.
    Se isso é verdade eu não sei, mas, se você reparar bem, sua história, apesar de não ter cesta de doces para a vovozinha, caçador e nem lobo mau, até parece um conto de fadas, ou melhor, um conto de moto... ou será um conto de atropelos? Entre nesta história e descubra uma das muitas aventuras vividas por Capacetinho Vermelho em sua moto envenenada, quer dizer... encantada.
    Capacetinho Vermelho
    Lilia Rodrigues
    Ano: 2016 
    Páginas: 20
    Idioma: português
    Editora: Lura Editorial


     Capacetinho Vermelho é uma garota que gosta de tudo vermelho...


    Sua moto, seu capacete, sua roupa. Tudo dela é vermelho e, por conta disso, ganhou este apelido.

    Certo dia sua mãe pediu para que ela levasse remédios para a vovó, o que a garota, de pronto, aceitou. No meio do caminho, Capacetinho encontrou o falastrão Lobato Gaiato que a convenceu a fazer várias coisas que acabam gerando uma tragédia.

    Se você está se perguntando se já leu uma história parecida, eu te digo que certamente, pois esta trama foi claramente inspirada no conto da Chapeuzinho Vermelho com direito a Lobo Mau, a tarefa a ser cumprida, a obediência, a vovó.

    Enfim...

    Dica do Dan


    A feiticeira do Inverno, Paula Brackston

    Um encantador realismo mágico à la irmãs Brontë 

    Na cidade galesa do início do século XIX, não há ninguém como Morgana. Embora seu raciocínio seja afiado, ela não fala desde que era menina. Seu silêncio é um mistério, assim como seus dons mágicos e a má sorte que bate à porta dos que lhe fazem mal. 
    Preocupada com a segurança da filha, sua mãe não vê a hora de casar Morgana, e o tropeiro Cai Jenkins, parece a melhor escolha. Após o casamento, ela logo se apaixona pela fazenda de Cai e as montanhas selvagens que a rodeiam. Suas estranhas habilidades começam a ser notadas na aldeia. Uma força maligna está agindo no local — uma pessoa que não sossegará até fazer com que todos se virem contra Morgana, mesmo à custa daqueles mais próximos a ela. 
    Forçada a proteger sua casa, seu homem e a si de todo o mal que se possa imaginar, Morgana deve aprender a controlar o próprio poder... ou acabará perdendo tudo.

    A Feiticeira do Inverno
    Ano: 2016 
    Páginas: 322
    Idioma: português 
    Editora: Bertrand Brasil


    Nossa protagonista é Morgana, garota de 18 anos que vive apenas com a sua mãe e adora a natureza, na verdade, é como se a natureza lhe fornecesse energia para existir. Não sabe cozinhar nem lidar com os afazeres de uma casa além de não ser bem vista pela maioria dos moradores da cidade por a considerarem um tanto esquisita: Morgana não fala, parou de falar quando o seu pai foi embora quando ela ainda era criança. E porque coisas estranhas acontecem quando ela está por perto e com raiva.

    “Uma tristeza pesa sobre mim, como costuma acontecer quando revivo a dor de sua partida. Quando me lembro de que num dia ele estava lá, e no outro, não. E de como ele levou minha voz consigo ao ir embora.”

    Por estar muito doente, a mãe de Morgana quer que ela case logo numa tentativa de protegê-la quando ela não estiver mais aqui. Sabendo que ninguém da sua cidade aceitaria, ela faz acordo com Cai Jenkins, um jovem viúvo condutor de rebanhos que também precisa de uma esposa para ter direito a herdar o cargo de seu pai.

    Mas casar não é o desejo de Morgana, ela não quer ter que se submeter a um homem que não conhece nem ficar longe de sua mãe. Ainda assim, Cai se mostra um homem sensível e Morgana se vê encanta com o seu jeito e com o lugar fantástico onde fica a fazenda em que vai morar.

    “As pessoas têm medo do que não entendem e esse medo pode torná-las cruéis.”

    Eu perdi o meu rumo, Da Gayle Froman, em pré-venda


    Às vezes estar perdido é um ótimo começo para se reencontrar. Freya, Harun e Nathaniel perderam o rumo e ao se encontrarem, por um acaso do destino, aprenderão a medir a tristeza da mesma forma: em suas perdas.

    "Eu perdi o rumo", novo livro de Gayle Forman, será lançado em setembro, mas ele já está em pré-venda, com um brinde exclusivo! Adquira pelo link: https://amzn.to/2OfI0PJ

    Alto, Baixo, Num Sussurro

    O mundo dos sons é o assunto principal desse livro absolutamente imperdível. Explicando conceitos relacionados às ondas sonoras e à audição, este livro rico em informações, oferece uma leitura direta e altamente instrutiva sobre o tema. Música, intensidade do som, silêncio, barulhos - tanto os produzidos pelos seres humanos quanto os da natureza - são aqui mencionados como forma de nos fazer refletir sobre o quão fantástico é o universo do som e do silêncio. Ouvidos e olhos atentos para essa leitura extraordinária!
    “No começo, tudo era silêncio.”
    Alto, Baixo, Num Susurro
    Romana Romanyshyn, Andriy Lesiv
    EDITORA DO BRASIL

    A ideia de mostrar como somos bombardeados por diversos sons desde o ventre materno foi fantástica e muito criativa. Desde as primeiras páginas, fui exposta ao clássico símbolo da frequência do som e apresentada a um narrador que conta a história do Som no decorrer do livro.

    As páginas trazem uma enxurrada de informações sobre os sons, como ouvimos, os instrumentos musicais, as vozes, os sons da rua, da natureza, da vida, a falta de som. 

    Barulhos altos, baixos... num sussurro!

    Além do texto do narrador, nas bordas de cada página, pude encontrar as explicações de cada momento apresentado acompanhadas de muitas imagens e cores o que gera uma identidade visual, lúdica e instrutiva. Atraindo o olhar curioso e inclusivo de quem está acompanhando a leitura.