• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Brincando de escrever #2, por Dani souza

    Texto baseado na música da dupla Sin Bandera: Kilómetros. Um texto original, com personagens originais. 

    Classificação PG-13 (beijos, e uma leve insinuação de algo mais)







    Quilômetros 


    Texto por Dani Souza
    Data da criação: 25 de maio de 2017






    Uma ligação era tudo a que tinha direito no momento. Para quem ligar não era sequer motivo de dúvida. Conseguia ouvir o som calmo, um leve tom de brincadeira, o som do amor em sua voz. Embora não merecesse este último quesito. Não agora...

    A varios cientos de kilómetros
    puede tu voz darme calor igual que un sol
    y siento como un cambio armónico
    va componiendo una canción en mi interior
    A centenas de kilometros
    Sua voz pode me aquecer como um sol
    E sinto como uma troca harmônica
    Vai compondo uma canção no meu interior



    Ouvia o som de chamada no seu ouvido, ribombava de maneira estrondosa e ao mesmo tempo refletia nas batidas de seu coração. Começou contando quantos toques, mas a ansiedade, o desejo de ouvi-la o fez perder o ritmo.

    - Alô! – ali estava a voz de sempre, lhe transbordando com lembranças, os sonhos em comum, os beijos trocados, fechou os olhos e respirou fundo, poderia crer que sentia seu perfume adocicado. – Alô?

    A incerteza no timbre o acordou do devaneio. Seu coração disparou. Estaria fazendo o certo?

    - Alô! – sussurrou, no entanto não sabia se tinha intenção de não ser escutado, ou a emoção que havia enfraquecido sua voz.
    - Eric? – dúvida. Um baque no coração dele.

    O que estava fazendo? Seu coração disparou de dor.




    Sé que seguir no suena lógico
    pero no olvido tu perfume mágico
    y este encuentro telefónico
    me ha recordado que estoy loco por ti
    Sei que seguir não seria lógico
    mas não esqueço seu perfume magico
    E este encontro telefônico
    Me lembrou que estou louco por ti



    - Ana? Sim, sou eu. Eric! – falou num rompante.
    - Aonde você está? Por que os sussurros? – ela o imitou, fazendo com que o rapaz risse.
    - Estou preso... Não é nada sério... – ele tentou acalmá-la assim que ouviu a exclamação de horror do outro lado da linha – Dormi ao volante, bati num poste, por sorte estou inteiro, embora não possa dizer o mesmo do carro.
    - Mas...
    - Olha, quer dizer, escuta. Só tenho direito a esta chamada. Precisava ouvir você, saber que está bem. Dizer que eu vou ficar bem – a voz ficou embargada com as lágrimas – Ana, eu amo você. Nunca duvide disto, está certo?

    - Eric... – ele percebeu na simples entonação que estava fazendo a garota chorar. – Eu amo você também. Mas...


    Que todo el mundo cabe en el teléfono
    que no hay distancias grandes para nuestro amor
    que todo es perfecto cuando te siento
    tan cerca aunque estés tan lejos
    Que o mundo todo cabe num telefone
    Que não há distâncias grandes para o nosso amor
    Que tudo é perfeito quando te sinto
    tão perto ainda que esteja tão longe



    Eric puxou a respiração, seu fôlego estava findando. Ele sorriu com a confissão, embora o mas tenha sido um alerta.

    - Shhh, não importa. Vamos falar de outra coisa. O que vai fazer nesse verão? – quase acrescentou sem mim, mas era desnecessário, ela já estava se sentindo mal.
    - Tenho algumas viagens reservadas... faculdade, cursos. Você pode imaginar o que mamãe programou. – ela fez uma breve pausa, ganhando tempo – Estaremos indo para a Europa, daqui a uma semana.

    Eric soltou o ar de vez.

    - Entendo. Eu quero que se divirta! Você merece Ana. Queria estar a seu lado, mas não é possível.
    - Você sumiu... sim, dois dias – ela respondeu uma pergunta que sabia estar por vir, ele sorriu por conhecê-lo tão bem – Queria que tivesse ido ao nosso jantar. Esperei por duas horas, na verdade saí quando o restaurante fechou. – ela confessou num soluço – Se realmente me ama, o que te fez fugir?


    A varios cientos de kilómetros
    tiene un secreto que decirte mi dolor
    en cuanto cuelgues el teléfono
    se quedará pensando mi corazón
    A centenas de kilometros
    Tem um segredo que revela a minha dor
    Enquanto desliga o telefone
    Continuarei pensando em meu coração



    Eric respirou fundo, não queria contar a verdade. Era um segredo tão pesado e sabia que seria devastador para Ana.

    Olhou em volta, o quarto branco, lençóis brancos, tudo tão estéril, a máquina a seu lado apitou, ele olhou o monitor, era seu passatempo atual: acompanhar as mudanças que o monitor tão escandaloso anunciava.

    Sentiu vontade de puxar os fios, sair correndo de lá, ir até ela. Já estava morrendo mesmo, pensou com irritação.

    A entrada da enfermeira interrompeu o fluxo de pensamentos, com um gesto impaciente dispensou a mulher de rosto simpático apontando o aparelho no ouvido.

    - Ana! Penso em você a cada segundo. Acredite: estou longe a contragosto. Vamos falar de amenidades, me deixe aproveitar a ligação.




    Que todo el mundo cabe en el teléfono
    que no hay distancias grandes para nuestro amor
    que todo es perfecto cuando te siento
    tan cerca aunque estes tan lejos
    Que o mundo todo cabe num telefone
    Que não ha distancias grandes para o nosso amor
    Que tudo é perfeito quando te sinto
    tão perto ainda que esteja tão longe


    - Você quer que lhe espere? Seus advogados devem resolver isso em breve.– Ana disse com sua voz melodiosa – Posso dizer em que voo eu estarei. Iremos juntos. Mamãe nem saberá!
    - Eu adoraria, minha Ana, mas não sei quanto tempo terei de ficar aqui. – doía mentir para ela, tentou acreditar que era para o melhor. – Como vai a aula de canto?
    - Estou indo bem, é o que dizem! – ela tentou rir – Não posso sequer me despedir de você?
    - Podemos fazer isso por telefone, não quero que me veja aqui – ele pigarreou, uma dor forte no peito lhe fazendo prender a respiração. O monitor piscando e apitando.
    - Que barulho é esse Eric? – ela questiona alarmada.
    - Nada demais. – ele respira com calma, até que os números comecem a cair, a dor evanescer. – Feche os olhos e imagine... Fechou?
    - Uhum – ela balbucia despertando um sorriso no rapaz.
    - Nós dois, sentados na areia da praia, os seus cabelos voando livremente, nossas mãos entrelaçadas. Você olhando para mim ao avistar uma ave num rápido mergulho, seu sorriso tão espontâneo, me inclino até você e nos beijamos, um beijo tímido que vai ganhando força, indo além de qualquer sentimento antes experimentado. Minhas mãos tocando seu corpo com calma, você tão envolvida, e tão calorosa retribuindo cada toque. Você se afasta e num meio sorriso, levanta e me puxa para lhe acompanhar. Pouco antes de molharmos os pés você tira o vestido longo, ficado apenas com a roupa de banho; me ajuda a fazer o mesmo e corremos para o mar, a água está fria, você se joga nos meus braços, volta a me beijar, nossas mãos já estão impacientes, queremos mais do que beijos, por mais maravilhosos que sejam. O sol está se pondo e não nos damos conta do que passa ao nosso redor, somos nós dois e o mundo. Um mundo que serve de espectador para nosso amor, as ondas suaves e o grasnar dos pássaros numa sinfonia tão aconchegante que aumenta nossas sensações. Com apenas mais um beijo deixamos de ser dois, nos tornamos um. E esse um é tão repleto de amor, de paz e de felicidade que é a melhor unidade que poderia existir em todo o planeta. Por que eu sou seu e sinto que você é minha. E quando você se afasta e sorri para mim, o êxtase que imagino estar em meu semblante e vejo no seu, me fazem ter a certeza de que você é a mulher da minha vida. Eu te amo mais do que a mim mesmo, e por você eu iria até a lua, até o inferno se você me pedisse.

    Ana ainda de olhos fechados, sente as lágrimas quentes escorrendo por seu rosto.

    - Eric.... Eu só pediria que fosse até o céu comigo, nunca sozinho. Eu o amo demais. – ela respira fundo, ele escuta batidas em alguns móveis. – Não posso ir embora... Vou morrer longe de você.

    Ouvindo tão linda confissão o rapaz não conseguiu mais controlar a emoção, o monitor correu disparado, e por mais que ele tentasse estabilizar, seu coração estava num ritmo impossível de controlar, segurou o telefone com força, a respiração acelerada, o medo ao ver os três médicos na sua frente, a enfermeira de rosto simpático com o semblante perturbado. Ele sabia que era o fim, não havia mais nada a fazer contra a doença.

    - Eric? Eric o que está acontecendo? – Ana pergunta apavorada ouvindo os apitos do monitor. – Aonde você está? Estou indo até você! – ela gritou sem sequer perceber.
    - Amo você Ana! – ele respondeu e soltou o aparelho, seu corpo já não lhe obedecia, pensou ter sorrido uma última vez antes de tudo ficar escuro e então não ouviu, nem sentiu mais nada.


    O telefone ficou caído entre os lençóis, nenhum dos profissionais o viu. Ana continuava na linha ouvindo aturdida.

    - Estamos perdendo ele.
    - Vamos tentar uma reanimação.

    O barulho das máquinas, a conversa entre os médicos. Ana rezava tendo uma leve ideia do que estava acontecendo, mas que não permitia ganhar muito espaço.

    - ERIC! ERIC FALA COMIGO! – ela gritou com toda sua força, alguém batia na porta do seu quarto, mas tudo que ela desejava era ser ouvida através do aparelho. – ERIC!

    Ouviu um chiado, temeu que a ligação tivesse encerrado, mas ouviu uma voz calma.

    - Alô?
    - Passe para o Eric! Agora! – ela falou entre dentes, mal reconhecia sua voz.
    - Lamento senhora. Eric não resistiu.
    - NÃO. NÃO. NÃOOO! – Ana berrava agarrada ao telefone.

    A porta de seu quarto foi aberta, seu irmão lhe puxou num abraço apertado.

    - Eric morreu, ele morreu... eu não estava lá.... se eu estivesse lá... – ela choramingava de encontro ao ombro do irmão mais velho.
    - Você não poderia ter feito nada. Eric já estava bem doente Ana. Você fez o que pôde, lhe deu o amor que ele tanto queria. Ele foi em paz!
    - Não... – ela murmurava – Ele não podia morrer!

    Não sabia quanto tempo tinha levado agarrada em seu irmão como se estivesse à deriva, parecia estar vendo tudo pela TV, Ricardo lhe colocando nos braços, a empregada puxando os lençóis, ele lhe deitando com cuidado. A injeção sendo aplicada em seu braço, dali a pouco tudo ficou escuro.

    No dia seguinte assim que criou coragem para levantar, ligou a TV, e ouviu aturdida a repórter falar que o filho do milionário Zacarias Bellmont tinha falecido após uma parada cardíaca....

    Ela tirou o som do aparelho, olhava as imagens que exibiam de Eric, tão lindo, tão animado. Como? Por quê? Sua cabeça girava, caiu sentada na cama a suas costas, olhava sem enxergar para a tela. As lágrimas que pensava ter esgotado, voltaram a cair. Viu o frasco de calmantes que Ricardo lhe receitou, mas ignorou, se o abrisse naquele momento, optaria por engolir todos de uma vez.

    Deitou e rememorou a última conversa por telefone, a sensação de estarem juntos; a sensação e certeza de ser amada por ele.

    Como seguiria em frente? Como viveria sem ele?

    Outro dia, outra hora, outro ano, ela iria pensar em como sobreviver a essa perda, mas não agora. Só lhe restava prantear o amor perdido.

    Ana chorou até suas forças acabarem e o sono lhe vencer. Tinha sido bom, enquanto durou.


    Licença Creative Commons
    Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional


    Abaixo o vídeo clipe com a música: 


    26 comentários :

    1. Nossa Dani :'( Que história dexxxtruidora é essa? Ana e Eric não ficaram juntos como tantos casais, devido ao nosso frágil corpo. Infelizmente, nossa passagem aqui é muito rápida, e para o Eric foi mais rápida ainda. Não teve a sorte de envelhecer junto com a amada. Que triste :'(

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Olá Nayane!
        Sabe que nem tinha planejado um final desse com antecedência? Acabou "criando vida" e fico muito feliz que você tirou um tempinho para ler e comentar.
        Sim, nunca sabemos o quanto temos de vida, por isso é bom sempre aproveitar com sabedoria, embora tenhamos a mania de postergar. =/
        Obrigada!

        Excluir
    2. Nossa que história linda e ao mesmo tempo dolorosa :( É muito ruim estar longe das pessoas que a gente ama mesmo. Achei lindo o amor da Ana e do Eric, bem verdadeiro e singelo mesmo que tenham tido um final trágico :( ♥
      Já fui ouvir a música também e ela é incrível!!!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Tais, obrigada! Infelizmente nem tudo são flores.
        Essa é uma das músicas que mais toco da dupla. Fico contente por ter gostado!
        Obrigada!

        Excluir
    3. Dani!
      Li seu lindo texto, escutando a música e tudo pareceu ainda mais doloroso, tão trágico...
      O que mais gostei foi a emoção que conseguiu transmitir durante os diálogos, a agonia de se ver perto da morte e longe da mulher amada...
      Parabéns!
      Desejo um mês cheio de prosperidade!
      “A sabedoria consiste em compreender que o tempo dedicado ao trabalho nunca é perdido.” (Ralph Waldo Emerson)
      Cheirinhos
      Rudy
      TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
      http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Olá, Rudy!
        Essa música é linda e cm estas vozes é impossível não mergulhar fundo na letra!
        Extremamente feliz de ter conseguido expressar os sentimentos do casal de maneira perceptível!
        Muito obrigada!

        Excluir
    4. Ai meu Deus, moça!!! Por que me fez ler isso? Que dor no coração! Juro que eu dei uma lacrimejada, só quis entrar na história e fazer alguma coisa, que agonia socorro. Amei, simplesmente. Espero ver mais textos por aqui.
      Abraços!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Eduarda! Eu não obriguei a ler, mas fico contente que o tenha feito! às vezes pendo para minha veia trágica, lamento tê-la deixado triste! No entanto fico animada em ver que gostou do resultado!
        Obrigada!

        Excluir
    5. Quebrou o meu coração, meus olhos estão cheios de lagrimas. E essa ultima frase diz tudo.
      Amei, poste mais textos por favor, eu adorei

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Ketellyn! Uma chorona como eu? Ao menos foi algo para recordar, né?
        Obrigada!

        Excluir
    6. Oi Dani ;)
      Você é muito talentosa, me deixou em lágrimas!
      Senti muita pena da Ana e do Eric... meu Deus! E achei que você sabe transmitir muito os sentimentos dos personagens!
      Não conhecia a música, mas ouvi-la só deixou a história mais real ainda, ja add ela no spotify.
      Bjos

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Isabela!
        Obrigada, lamento pelas lágrimas, mas não nego minha alegria de ter conseguido envolvê-la na leitura e por ter alcançado o objetivo de passar bem os sentimentos deles!
        A música mexeu com várias, bom que deu mais corpo ao texto. =) !

        Excluir
    7. Manaaa ... Tô sem chão depois desse texto e acho que não tô acreditando muito no que li no final, foi tão lindo e triste na mesma medida que ao terminar de ler você não sabe o que fazer e nem como reagir ao sentir. O rogada por nós mostrar esse texto maravilhoso e devo dizer que você tem talento e se decidir seguir em frente com isso vai se sair bem.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Rissia, muito grata por suas palavras, por ter lido o texto por completo. Fico mega feliz de saber que consegui mexer um pouco com seus sentimentos!

        Excluir
    8. História linda e emocionante! Sou fraca pra essas coisas, estou aqui com o coração apertado, só imaginando o choro desesperado dela, sabendo que nada pode faze pelo seu amor.
      Parabéns!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Kris, eu sou bem chorona... terminei o texto com o coração em frangalhos, mas vejo que valeu a pena, por perceber que o casal ganhou sua simpatia.
        Obrigada!

        Excluir
    9. Nossa Dani! Da próxima vez coloca um aviso no post "você pode chorar ao ler isso" que aí eu deixo pra ler em casa, sem chorar na frente das pessoas hahahaha Ah, que texto mais lindo e triste! :'(

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Hemely, mas então não seria um spoiler?! Entendo bem você... ontem mesmo estava lendo e me acabando de chorar, mas por sorte, estava trancada no quarto.
        Obrigada!

        Excluir
    10. Olá!
      Adorei o seu texto, você escreve super bem!
      QUE FINAL FOI ESSE? :'(
      Quero ler mais textos seus! Parabéns!
      Beijos

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Olá Natalí! Que bom saber que você gostou! Estou desenferrujado e me aventurando além das fanfics. ;)
        Obrigada!

        Excluir
    11. Oi!
      Que lindo seu texto, a historia foi para um lado inesperado me pegando de surpresa, ainda mais nesse finalzinho que da um dó no coração pelos personagens, mesmo triste, adorei !!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Suzana!
        Obrigada! Foi um final surpreendente até para mim...alegre por ter mexido com seus sentimentos!

        Excluir
    12. Menina, que história viu!

      Me arrepiei em várias partes aqui kkk
      Vou procurar a música mais tarde para ler novamente. Acabei salvando aqui para mostrar a alguns amigos.

      O final foi o mais surpreendente para mim, realmente eu não esperava por isso.
      Gostaria de ler mais textos assim, certo?

      Beijão

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi, Cosme! Ri com "Me arrepiei em várias partes aqui", contente de ter mexido com suas emoções, conforme o planejado!
        O final foi surpresa até para mim. Mas quando a ideia surgiu, agarrei sem dó!
        Obrigada!

        Excluir
    13. Oi.
      Que história mais linda.
      Mas ao mesmo tempo triste, é difícil ver um amor tão lindo como este destinado ao fracasso uma pena que não teve um final feliz em tudo, o final realmente me pegou de surpresa.
      Bjs.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Ah Marlene, eu entendo você. Mas eu sou dessas que adoram um final triste às vezes. Contente que Ana e Eric tenham conquistado você.
        Obrigada!

        Excluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!