• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Living Out Loud, Staci Hart

    Bestselling author Staci Hart brings you another standalone installment of the Austen Series, inspired by the works of Jane Austen, with a heartfelt contemporary retelling of Sense and Sensibility.
    When Annie Daschle arrives in New York City, the only thing she can control is her list.
    Not her father’s death or the loss of her home. Not the hole in her heart or the defective valve that’s dictated so much of her life. But she can put pen to paper to make a list of all the ways she can live out loud, just like her dad would have wanted.
    See the city from the top of the Empire State Building: Check.
    Eat hot dogs on the steps of The Met: Check.
    Get a job at Wasted Words: Check.
    What wasn’t on her list: Greg Brandon. And just when she thinks she’s figured out where to put him, everything changes. In the span of a few staggering heartbeats, she finds herself her caught in the middle of something she can’t find her way out of, with no clear answers and no rules.
    List or no list, she realizes she can’t control anything at all, not even her heart.
    Not the decisions it makes, and not the moment it stops.
    Living Out Loud
    Austen #3
    Staci Hart
    Ano: 2018 
    Páginas: 324
    Idioma: inglês
    Editora: Staci Hart


    OMG! OMG! What do I do? I'm so in love with this book. It stole the first place in my heart that belonged to Tonic and once again wanted the Brazilian readers to read it too as well. Oh my poor life!

    Annie is the kind of naive, romantic and dreamy girl who, after losing everything with her father's death, goes to live in the house of Uncle John , someone whom she hardly knows. She always suffered from a heart problem that made her a quiet girl and enjoyed reading a lot and avoiding hustle and bustle, partying and dating. Before she arrives in New York, she created a list of the firsts she dreams to make her life as intense and full of love as her father has always dreamed for her. But she just did not expect to meet Greg.

    Greg is the bar manager of the Wasted Words bookstore (which appears the first time in the first book  that tells the love story of Tyler and Cam- the owner). Greg is a skateboarder, a serious, educated, gentle, thoughtful, and totally devoted to his family, especially after his mother's death. He would never have imagined that his life would take a 360-degree turn when Annie entered not only in the bookstore but in his heart.

    Only problem is that Annie is a girl yet, she is 18 years old, 10 years younger than him and treats him like an older brother. He does everything to prevent everyone from realizing how he was charmed by the sweet, glimpse of this countrygirl, failing greatly as Cam and Ellen (Annie's older sister) suddenly notice.
    The approach of the two is gradual and everything that they lived and will live together cause them to identify with each other more and more, which leaves everything more complicated for the heads of both.

    I love Jane Austen’s books, funny is that I always found Sense and Sensiblility a little monotonous but Staci with her dynamic, fluid and light writing managed to change it and how I love a good re-reading, It united useful to pleasant. What made it easy for me to see the references of the classic work in contemporary was that I read a Sense and Sensibility mangá in December and had seen the film again. Then with everything fresh in my memory, I plunged from the love story of Sensibility sister. Annie just like Marianne is optimistic and always sees the good side of things but behold in Living the character got a little different and made me twist from the start because she is not annoying as the original character, making Annie a girl who even passionate realize what is really best for her.

    Staci retained the character traits of Jane's book and modernized the questions and experiences, creating an astounding book.

    The story goes on a crescendo, making the reader fond of each of the characters and see the importance of each one in the plot reaching a breathtaking summit.

    Highlighted in addition to the protagonists (who I loved passionately) was Meg, Ellen and Annie's younger sister, the noisy dogs of Aunt Susan and Greg's family. More than special characters.

    I loved the whole book too much even the strongest part and I can tell that I felt on the skin some of Annie's first times, super romantic ... A sighing Cat has not yet recovered ... and that's where the bad part comes in. This book threw me into a reading hangover that I had not had for a long time (a year and a half without being at the rock bottom), I'm so down, so down that I can not read anything else, to you have an idea, I've already read the parts that I liked the most 3 times . Oh my poor life!

    Now I'm already hoping for the couple's involvement in Ellen's book and have a book for Greg's sibilings as well.

    I have also the needing to talk about this beautiful cover and the playlist that filled some scenes, loved every song chosen and the moment it played and even the cover for me has a musical rhythm.

    Kisses, Myl


    Staci Hart traz outro livro autônoma da Série Austen, inspirada nas obras de Jane Austen, com um relato sincero e contemporâneo de Razão e Sensibilidade.
    Quando Annie Daschle chega em Nova York, a única coisa que ela pode controlar é sua lista .
    Não a morte de seu pai ou a perda de sua casa. Não o buraco em seu coração ou a válvula defeituosa que dita a maior parte de sua vida. Mas ela pode colocar a caneta no papel e fazer uma lista de todas as maneiras pelas quais ela pode viver intensamente(Living out Loud), assim como seu pai teria desejado.
    Ver a cidade do topo do Empire State Building: OK.
    Comer cachorros-quentes nos degraus do The Met: Ok.
    Conseguir um emprego em Wasted Words: Ok.
    O que não estava na lista dela: Greg Brandon. E quando pensa que descobriu onde colocá-lo em sua vida, tudo muda. Ao longo de alguns batimentos cardíacos surpreendentes, ela se encontra atraída no meio de algo que ela não consegue encontrar uma forma de sair, sem respostas claras e sem regras.
    Com lista ou sem lista, ela percebe que ela não pode controlar nada, nem mesmo seu coração.
    Nem as decisões tomadas, e muito menos o momento em que ele vai parar.

    Oh, gente! Oh, gente! O que fazer? Tô tão apaixonadinha por este livro... Ele conseguiu roubar o primeiro lugar que era de Tonic e ter mais uma vez vontade de que os leitores brasileiros pudessem ler também. Oh,vida!

    Annie é aquele tipo de garota do interior, ingênua, romântica e sonhadora que, depois de perder tudo com a morte do pai, vai morar de favor na casa do tio John, tio esse que ela mal conhece. Ela sempre sofreu com um problema no coração que a fez ser uma garota quieta e gostar de ler muito e fugir de agitações, festas e namoro. Ao chegar na acelerada Nova York, ela cria uma lista de primeiras vezes que sonha fazer para viver a vida intensamente e cheia de amor como seu pai sempre sonhou para ela. Ela só não esperava conhecer Greg.


    Greg é gerente do bar da livraria-bar Wasted Words (que aparece a primeira vez no livro que a nomeia contando a história de amor de Tyler e Cam, proprietária do local. Inspirado em Emma). Greg é skatista, um rapaz sério, educado, gentil, compenetrado e totalmente dedicado à família principalmente depois da morte da mãe. Ele nunca imaginaria que sua vida daria uma guinada de 360 graus quando Annie entrasse não só na livraria mas em seu coração sem pedir licença. 


    Único problema é que Annie é uma garota ainda, tem 18 anos, dez anos a menos que ele e o trata como um irmão mais velho. Ele faz de tudo para evitar que percebam como ele se encantou pela doce e vislumbrada interiorana, falhando grandemente, já que Cam e Ellen (irmã mais velha de Annie) percebem logo de cara.

    A aproximação dos dois é gradativa e tudo o que viveram e vão viver juntos fazem com que se identifiquem um com o outro cada vez mais, o que deixa tudo mais complicado para a cabeça de ambos.

    Sou apaixonada pelos livros de Jane Austen, engraçado que sempre achei Razão e Sensibilidade um pouco monótono e fiquei com medo desse novo, mas Staci, com sua escrita dinâmica, fluida e leve conseguiu mudar isso e como amo uma boa releitura, uni o útil ao agradável. O que facilitou para mim ver as referências da obra clássica na contemporânea foi que li um mangá em dezembro de Razão e Sensibilidade e tinha visto novamente o filme. Então, com tudo fresco na memória, mergulhei da história de amor da irmã Sensibilidade. Annie, assim como Marianne, é otimista e sempre vê o lado bom das coisas, mas eis que em Living a personagem ficou um pouco diferente e me fez torcer desde o início por ela, pois não tem é irritante como a personagem original, fazendo Annie uma garota que mesmo passional perceba o que é realmente melhor para ela.

    Staci manteve as características dos personagens da obra de Jane e modernizou os questionamentos e experiências, criando um livro surpreendente.

    A história vai num crescente, fazendo o leitor se afeiçoar por cada um dos personagens e ver a importância de cada um na trama chegando a um ápice de tirar o fôlego.

    Com destaque além dos protagonistas (que amei de paixão) para Meg, irmã mais nova de Ellen e Annie, para os cachorrinhos barulhentos de tia Susan e para a família de Greg. Galera mais que especial.

    Amei demais todo o livro, mesmo a parte mais forte e posso dizer que senti na pele algumas das primeiras vezes de Annie, super romântico...Uma Gata suspirante ainda não se recuperou... e é ai que entra a parte ruim. Esse livro me lançou numa ressaca literária que a tempo não tinha (um ano e meio sem ficar no fundo do poço), estou tão mal, tão mal que não consigo ler direito mais nada, para ter ideia já reli as partes que mais gostei umas três vezes. Oh,vida!

    Agora já estou torcendo pela participação do casal no livro de Ellen e que tenha um livro para os irmãos de Greg também.

    Não posso deixar de falar desta capa linda nem da playlist que recheia a obra, amei cada música escolhida e o momento em que ela tocava e até a capa para mim tem um ritmo.

    Beijos,Myl


    2 comentários :

    1. Com certeza eu leria um livro destes sem nem pensar duas vezes!
      Sou o tipo romântica incurável e tudo que envolve Jane é sempre mágico, poético e faz a gente suspirar.
      O amor pode nos surpreender ainda mais quando vem em releituras assim, de grandes clássicos!
      Tomara que chegue ao nosso país..rs(afinal, de inglês eu não entendo nadinha)
      Beijo

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. estou fazendo campanha para alguma editora trazer para cá...quem sabe consigo...beijos,myl

        Excluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!