Labirinto, A.C.H. Smith

Trinta anos sem perder a magia. Tudo começou em um pequeno “labirinto” real na cabeça de James Maury, mais conhecido pelo nome de Jim Henson. O cartunista, músico, roteirista, designer e diretor sabia acessar como ninguém o coração das pessoas e o seu maior dom foi dar vida a seres inanimados. A nova geração pode não lembrar do seu nome, mas com certeza tem seus personagens gravados na memória: Os Muppets, Vila Sésamo, Muppets Babies e até a inesquecível Família Dinossauro. Além deste, Henson também criou fábulas como “Labirinto”, em parceria com George Lucas, filme que encantou toda uma geração quando foi lançado, há 30 anos, com David Bowie como Jareth, o Rei dos Duendes, e também responsável pela trilha sonora, e uma jovem Jennifer Connelly no papel de Sarah, a protagonista que deseja que os duendes levem Toby, seu meio irmão e – para seu espanto – é atendida. Arrependida, ela é desafiada pelo Rei dos Duendes a atravessar o sombrio Labirinto, repleto de perigos e seres mágicos.
A novelização de Labirinto finalmente é publicada em português, em uma edição à altura do mestre. Escrita por A.C.H. Smith em parceria com Henson, a edição apresenta pela primeira vez as ilustrações dos duendes feitas por Brian Froud, que trabalhou no filme, além de trechos inéditos e nunca vistos com 50 páginas do seu diário, detalhando a concepção inicial de suas ideias para Labirinto, comemorando os 30 anos do filme em grande estilo.
Labirinto
Ano: 2016 
Páginas: 272
Idioma: português 
Editora: DarkSide Books

O livro Labirinto foi originado do filme Labirinto, de 1986, e foi um tremendo sucesso, contando com a participação do ilustre David Bowie interpretando Jareth.

A história narra as aventuras de Sarah, uma jovem que sonha em ser atriz, como a sua mãe. Ao chegar em casa, ela recebe o castigo (digo, tarefa) de cuidar do seu meio irmão, Toby, enquanto seu pai e a madrasta saem durante a noite. 

Irritada com a situação em que se encontra, Sarah já está ao ponto de perder os cabelos, e tudo piora quando Toby abre o berreiro.  Desesperada, Sarah recita as palavras do seu livro Labirinto, pedindo para que os duendes levem Toby embora e, para seu espanto, dá certo!

Percebendo o desespero da jovem, Jareth o Rei dos Duendes, lhe propõe um desafio: atravessar o seu perigoso labirinto em apenas 13 horas e, caso ela falhe, Toby será transformado em um duende.
A narrativa é bem fluente, tanto que acabei o livro sem perceber 😂. Os personagens são encantadores, embora no inicio Sarah se mostre uma jovem mimada, mas ao decorrer da história ela ganha amadurecimento. 

Vemos outros personagens como Hoggle, um servo do Rei, que se vê dividido entre conquistar a confiança de Sarah e ser fiel ao rei; e Ludo, um monstro grande e peludo que, após ser salvo por Sarah, segue a jornada pelo labirinto como seu guardião.

Nessa obra vemos valores como amizade e confiança, representados por Sarah e Hoggle em diversas cenas. Percebemos também a importância do significado dos nossos desejos. Será que tudo que pedimos ou pensamos vale a pena? Sarah percebeu isso da pior forma, ao perder o seu irmão.

Sobre a edição, parabéns @darksidebooks pelo trabalho maravilhoso! O livro conta com o diário de criação de Jim Herson, o criador desse universo fantástico, e também a galeria de ilustrações de Brian Froud, onde vemos diversos esboços de duendes!

Amei essa leitura, e também recomendo a todos vocês! 


Um comentário

  1. Oi, estou lendo o livro agora. Foi meu primeiro filme no cinema, aos 13 anos e já perdi as contas de quantas vezes assisti. Mesmo após tanto tempo, Labirinto não perde a magia.
    Boas leituras.

    ResponderExcluir

O seu comentário alegra o nosso dia!!!