Ponti, Sharlene Teo

Na Cingapura da década de 1970, a estonteante Amisa é a estrela de um filme B que jamais estourou, mas acabou se tornando um ícone cult do cinema de terror. Descoberta por um tradutor e escalada para interpretar a "pontianak" - uma criatura canibal da mitologia malaia, uma jovem com deformidades que vende sua alma em troca de ser novamente bela -, esse foi seu grande e único papel.
Amisa é, de fato, linda. Décadas se passaram e ela ainda recebe cartas e presentes de fãs. Isso é um fardo que pesa nas costas de Szu, a filha adolescente, eternamente inadequada à sombra da figura mítica e controladora da ex-atriz. Szu vive uma vida sufocada não só pela umidade quente da cidade, mas também pela mãe, pela casa despedaçada onde moram com a tia, pela falta de perspectivas, pela ansiedade e pelo tédio da escola. Uma existência tóxica e desoladora que ganha fôlego na improvável amizade que surge entre ela e Circe - a garota privilegiada e sarcástica que invade o universo claustrofóbico de Szu e muda tudo.
Longe de replicar o esteriótipo da típica dupla de amigas do high-school que tanto estamos acostumados a consumir - a tímida e descolada que vira par da livre e desinibida e toma um porre da sangria na festa da turma -, Szu e Circe se complementam e se repelem, ao mesmo tempo fortes e vulneráveis.
Como a maioria da parcerias de juventude na vida real, a delas também se desfaz. No futuro, sem nunca mais terem tido contato, Circe voltará às lembranças daquela amizade e à culpa que pesa em sua consciência.
Contado da perspectiva das três mulheres em momentos distintos de suas vidas, Ponti é um romance que nos prende imediatamente com sua estranheza familiar - a cidade de Cingapura, impregnada de um calor úmido e cuja mitologia em muitos pontos se toca com a nossa, no Brasil, atrai nosso olhar como aquela pessoa a quem acabamos de ser representados, mas parece que já conhecemos há séculos. É a estreia primorosa de uma nova escritora que vai surpreender você.
Ponti
Intrínsecos #7
Ano: 2019 
Páginas: 274
Idioma: português 
Editora: Intrínseca


Szu, Amisa e Circe. Uma união marcada pelas emoções não libertadas, estampadas apenas no semblante escuro e misterioso, escondido facilmente pelas circunstâncias da rotina diária. Admiração, raiva e desistência, sentimentos muito fortes para essas mulheres aguentarem caladas.⁣⁣

Amisa foi uma atriz de cinema sem sucesso. Estreou na trilogia Ponti, filmes de terror que prometiam ser um sucesso, mas que foram apenas um orçamento furado e sem futuro. Szu, filha de Amisa, vive à sombra da mãe, que é linda e atraente, enquanto ela não consegue se encaixar em nenhuma “naturalidade feminina”. ⁣⁣

Mas nem a sua antipatia com a sociedade será capaz de impedir o nascimento da sua amizade com Circe, uma garota privilegiada e divertida do seu colégio. ⁣⁣
Narrado pelos três pontos de vista, em períodos diferentes, conheceremos os dramas de suas vidas pessoais num lugar quente e abafado como Cingapura. ⁣⁣

Conheceremos como Amisa adquiriu um comportamento duro e fechado durante sua vida; como Szu lida com seus problemas adolescentes e familiares; e como Circe ainda é cercada pela sombra de Ponti!, anos depois de romper o contato com a pessoa que foi sua amiga.⁣⁣

Ponti é o berço de personalidades diferentes que guardam sentimentos que deveriam ser colocados para fora. Numa escrita suave e fluida, vamos traçando um caminho cruzado entre a vida das personagens, costurando o presente, passado e futuro numa história só.⁣⁣

Eu gostei da leitura, que me tirou da minha zona de conforto e me proporcionou conhecer uma cultura que não é muito vista nos livros. A falta de grandes acontecimentos não impede de Ponti ser uma história envolvente e que guarda uma faísca de esperança no final.⁣⁣ ⁣⁣

Foi minha primeira experiência com a #intrinsecos e eu gostei muito do resultado. Com certeza Ponti será muito admirado assim que ele chegar às lojas. Aguardem para conferir!



Nenhum comentário

O seu comentário alegra o nosso dia!!!