Letal, Sandra Brown



Uma história policial que parece saída de noticiários do mundo inteiro, com múltiplos assassinatos, tráfico de drogas, prostitutas escravizadas e contrabando. Assim é o Letal, thriller no qual a veterana Sandra Brown constrói uma trama extremamente realista, sem deixar de lado o suspense e o erotismo característicos de suas narrativas.
No livro, um homem ferido, acusado de assassinar sete pessoas, se esconde no quintal da jovem viúva de um policial, tomando a mulher e sua filha de quatro anos como reféns enquanto tenta escapar de seus perseguidores pelas estradas e rios da Lousiana, nos Estados Unidos. Afirmando-se inocente, ele busca respostas para crimes cometidos por uma rede bem organizada, cujos integrantes estão camuflados em papeis sociais distintos.

Sem fixar a trama no casal de protagonistas – o fugitivo que se apresenta como um estivador de passado desconhecido seria um agente federal infiltrado para descobrir a quadrilha –, Sandra Brown traz, em cada capítulo, teses que são desconstruídas por diferentes personagens. Até a situação das reféns é questionada – teria a jovem viúva se envolvido com seu captor e tornado-se sua cúmplice? – por pessoas que estariam ou não à frente desses mesmos crimes. O próprio marido da viúva tem sua integridade posta em dúvida. Morto em acidente de carro, ele poderia ter investigado ou fazer parte da folha de pagamento dos criminosos, que aliciam policiais de todas as esferas para encobrir ou mesmo praticar falcatruas.

Enquanto a trama se desenrola, Sandra Brown não esquece dos dramas paralelos da vida de cada personagem. Um matador contratado pelo Contador, o codinome do chefe da rede criminosa, hesita em eliminar uma testemunha – uma adolescente prostituída por quem se apaixona. Um dos policiais federais e sua mulher se dedicam incansavelmente a cuidar do filho com paralisia cerebral desde o nascimento, que levou a mãe a deixar de lado a carreira profissional e impediu o casal de realizar os sonhos de conhecer o mundo e ter uma vida sofisticada. A melhor amiga da jovem viúva é uma mulher que cresceu nos negócios ao casar-se com homens mais velhos bem-sucedidos. As críticas ao comportamento de todos surgem nos comentários de cada participante desta trama, cujo senso de realismo serve como base para o leitor se enredar em desvendar cada mistério.
Letal
Lee Coburn #1
Ano: 2019
Páginas: 432
Idioma: português
Editora: Rocco


Apaixonada por um thriller policial, eu não consegui resistir à sinopse de Letal. Sandra Brown nos apresenta a Honor Gillette que, após o trágico acidente que matou seu marido Eddie, um ex-policial, vive com sua filha de 4 anos em uma casa isolada às margens do rio, na cidade de Tambour, na Louisiana. 
Local ideal para que Lee Coburn se esconda após, supostamente, ter sido o autor de uma chacina na pequena cidade. Mas a visita à casa de Honor não foi acidental. Após deixá-la aterrorizada, Coburn confessa que está a procura de algo que o seu marido possa ter escondido, levantando a hipótese de que ele não teria sofrido um acidente, mas sim, assassinado. 

E é em busca de respostas para esse mistério que a trama central da história se desenrola, mas fique calmo: Letal ainda traz mais que isso. Coburn acredita que Eddie pode ter algum envolvimento criminoso com o Contador, um chefe do crime implacável e que não deixa pontas soltas, e outros policiais corruptos. 

Em um ambiente em que nada parece ser o que é e todos parecem estar escondendo alguma coisa, Sandra Brown ainda foi capaz de construir uma história de amor (???) em meio ao caos das perseguições policiais e ameaças de criminosos, com cenas deliciosas...

Apesar da boa trama e de tentar manter o suspense em alta a todo custo lançando mão de tramas e personagens secundários bem construídos, o leitor vai perceber que a autora não precisava de 432 páginas para responder todas as dúvidas que foram levantadas ao longo da narrativa. Mesmo assim, confesso que foi impossível parar de ler até o desfecho final.

Nenhum comentário

O seu comentário alegra o nosso dia!!!