• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Estante da Tata: Meio-Rei, Joe Abercrombie - @Arqueiro

    Jurei vingar a morte do meu pai. Posso até ser meio homem, mas sou capaz de fazer um juramento por inteiro.
    Filho caçula do rei Uthrik, Yarvi nasceu com a mão deformada e sempre foi considerado fraco pela família. Num mundo em que as leis são ditadas por pessoas de braço forte e coração frio, ser incapaz de brandir uma espada ou portar um escudo é o pior defeito de um homem.
    Mas o que falta a Yarvi em força física lhe sobra em inteligência. Por isso ele estuda para ser ministro e, pelo resto da vida, curar e aconselhar. Ou pelo menos era o que ele pensava.
    Certa noite, o jovem recebe a notícia de que o pai e o irmão mais velho foram assassinados e não lhe resta escolha a não ser assumir o trono. De uma hora para outra, ele precisa endurecer para vingar as duas mortes. E logo sua jornada o lança numa saga de crueldade e amargura, traição e cinismo, em que as decisões de Yarvi determinarão o destino do reino e de todo o povo.
    Joe Abercrombie nos apresenta um protagonista surpreendente, numa história de percalços e amadurecimento que abre a trilogia Mar Despedaçado.

    Meio Rei
    Mar Despedaçado # 1
    Joe Abercrombie
    Ano: 2016 
    Páginas: 288
    Editora: Arqueiro

    O gênero literário da fantasia foi o gênero que me fez amar ler e sempre será um dos meus gêneros favoritos. Então, quando vi que a Arqueiro iria lançar Meio Rei, eu realmente me empolguei porque (1) Joe Abercrombie é um nome bem famoso entre os amantes da literatura fantástica, (2) é um livro bem curto (livros de fantasia são conhecidos por suas edições gigantes e detalhes excessivos) e (3) porque a capa e a edição do livro estão muito lindas.

    Meio Rei foi um livro pensado para atingir um público mais jovem do que o público que normalmente se interessa pelos livros de Joe Abercrombie (ele escreve livros de fantasia clássica bem pesados) e é um livro que cumpre seu objetivo central. 

    A história se passa em um reino onde a força bruta no campo de batalha é equivalente a sua honra e respeito na sociedade. Sendo assim, Yarvi é desprezado pela sua própria família e súditos. Como príncipe caçula, era esperado dele grandes feitos no campo de batalha mas, para o completo desapontamento de seus pais, Yarvi nasceu com uma das mãos deformada e uma incapacidade latente de lutar e se tornar um guerreiro.

    Para fugir de sua família e sua posição na corte (posição desdenhada por todos), ele estuda para se tornar um ministro (um estudioso e conselheiro).

    Alguns dias antes de sua prova para ministro, seu pai e seu irmão são assassinados e ele é inesperadamente coroado rei ou, como o chamam, meio rei, devido a sua deficiência.

    É por conta desta deficiência que Yarvi é traído por uma das pessoas que mais confiava e passa de rei a escravo da noite para o dia.

    O que você tem que entender é que Meio Rei é um livro sobre uma jornada de autoconhecimento.

    Eu detestei Yarvi no começo do livro. Ele o tempo todo se rebaixa, o tempo todo pede desculpa por coisas das quais não possui controle e ele não percebe o quão inteligente e feroz pode ser. Ele não percebe que nem todo poder e nem toda coragem precisam vir da força bruta. Ver o desenvolvimento de Yarvi, ver a visão dele do mundo e de se mesmo mudar, é a melhor parte do livro.

    Meu problema com esse livro é que ele é muito curto e pouco desenvolvido. Me fez parecer que Meio Rei é um livro resumo de um livro de fantasia muito maior e melhor construído. Parece que o autor teve que deixar de lado muita coisa para poder fazer com que a quantidade de páginas do livro não assustasse o seu público alvo.

    A parte mais legal dos livros de fantasia é a mitologia. É ver aquele mundo extremamente complexo se tornar real aos seus olhos. Sim, eu sei que essas explicações todas as vezes deixam os livros de fantasia um pouco maçantes, mas são essas explicações que também fazem os livros de fantasia serem geniais.

    Vamos fazer um parênteses e falar de Game of Thrones. Se você ler os livros, vai descobrir uma formação da história presente que respalda em três mil anos ou mais de mitologia criada pelo próprio autor. Ele explica tudo, como foi o surgimento de tal religião, porque tal povo age daquela forma ou possui tais costumes, como tal família virou a família real deus sabe quantos mil anos atrás. No final, o mundo que ele criou é tão complexo e completo quanto um mundo real (se o mundo real tivesse dragões e etc, mas vocês entenderam o ponto).

    Eu sei que tal complexidade não pode ser exigida de todos os livros. Mas certas explicações são necessárias.

    Apresentar um mundo inteiramente novo, com costumes, religião, povos e etc e ainda contar a história de autodescobrimento de um príncipe desprezado que vira rei que vira escravo e que vira xxxxxx (protegido para não dar spoliers) e concluir toda a jornada desse personagem em 280 páginas é uma tarefa tão impossível que você tem que deixar coisas de lado.

    Foi isso que realmente me irritou lendo esse livro. A história é tão boa e tem tantos personagens interessantes que ela merecia um desenvolvimento melhor e definitivamente merecia, pelo menos, umas 150 páginas a mais.

    Meio Rei é um bom livro para aqueles que nunca se aventuraram por fantasia e gostariam de tentar, mas não um livro acima da média para aqueles que como eu estão acostumados a ler grandes obras do gênero.

    Pessoalmente, se você está interessado(a) em um bom livro para entrar no mundo da fantasia, um livro menos pesado mas que contenha todos os elementos do gênero, eu recomendaria Mago Aprendiz, de Reymond E. Feist (resenha aqui).

    Ps: Meio Rei é o primeiro livro de uma trilogia, sendo todos os livros da série historias independentes. O segundo livro, Meio Mundo, contará a história de Thorn uma guerreira que é desprezada por ser mulher (eu definitivamente vou ler).



    3 comentários :

    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      ResponderExcluir
    2. Sua resenha está ótima, muito bem elaborada e explicando perfeitamente o enredo do livro. Não me senti atraída pela premissa dessa obra, apesar de gostar dese gênero. Talvez um dia venha a ler, por curiosidade, mas no momento não vou adicionar a minha lista de desejados. Beijos.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Muito obrigada Marcia!! Fico feliz que tenha gostado da resenha =)

        Excluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!