• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Estante da Tata: Espinho de Prata, Raymond E. Feist - @Arqueiro

    Durante quase um ano, a paz reinou nas terras encantadas de Midkemia. Porém, novos desafios aguardam Arutha, o Príncipe de Krondor, quando Jimmy, a Mão - o mais jovem larápio do Zombadores, a Guilda dos Ladrões - surpreende um sinistro Falcão Noturno prestes a assassiná-lo.
    Que poder maléfico fez com que os mortos se levantassem para combater em nome da Guilda da Morte? E que magia poderosa poderá derrotá-los? Mas primeiro o Príncipe Arutha, na companhia de um mercenário, um bardo e um jovem ladrão, terá que fazer a viagem mais perigosa da sua vida, em busca de um antídoto para o veneno que está prestes a matar a bela Princesa no dia do seu próprio casamento.


    Espinho de Prata
    Saga do Mago # 3
    Ano: 2016 
    Páginas: 384
    Editora: Arqueiro

    Mago: Espinho de Prata é um livro diferente dos outros dois da série.

    Um tempo atrás eu tinha dado uma pesquisada nessa série e tinha descoberto que, originalmente, ela era composta por três livros Ai você me pergunta: De onde saiu um quarto livro então?

    É meio confuso, mas me acompanhem.

    Alguns anos atrás Raymond E. Fiest resolveu que ele PRECISAVA de qualquer forma reescrever o primeiro livro da série só que, fazendo isso, o livro ficou muito maior do que o esperado (obviamente), resultando na divisão dele em dois para publicação. Quando a Editora Arqueiro lançou a serie no Brasil, ela publicou a serie já reescrita (o que é uma ótima coisa na verdade). Assim, o que acontece então é que o primeiro e o segundo livro contêm, na verdade, a história expandida do livro original (volume 1 e 2 respectivamente), sendo o terceiro livro correspondente ao segundo e o quarto ao terceiro e último livro da série.

    Mas porque esse terceiro (ou segundo, a depender da perspectiva) livro é diferente? Porque apesar de manter seus personagens principais, a história central mudou completamente. É como se os dois primeiros livros fossem uma série e os dois últimos, outra, mas com as duas se passando no mesmo mundo.

    O foco do primeiro e do segundo livro foi a invasão e a então guerra com os invasores do portal e , apesar de algumas menções a isso, o terceiro livro apresenta uma história quase que completamente nova, podendo, na verdade, ser um livro independente que se passa no mesmo mundo.

    O livro começa logo após o fim da guerra e tem, graças a deus, um foco maior no meu personagem favorito da série. O príncipe Arutha, aproveitando o tempo de paz, resolve finalmente se casar com Anita (outra personagem OTIMA!).  

    O problema é que no caminho do casamento, sua delegação é atacada por um grupo de assassinos treinados e, no meio da confusão, um deles acaba sendo capturado. O assassino acaba revelando ser parte de um tipo de seita e que existe um tipo de profecia que diz que as trevas vão poder voltar a reinar apenas quando o senhor do oriente morrer.

    Ou seja, tem uma seita inteira de assassinos sem alma tentando matar príncipe Arutha.

    Durante o casamento, a princesa é atingida por uma flecha envenenada com espinho de prata e, para evitar que ela morra, o Pug a coloca em um sono mágico até que eles possam encontrar a cura.

    Arutha e Pug saem então em uma jornada através do mundo procurando a cura para o misterioso veneno e, no decorrer disso, de uma trama que ameaça acabar com a paz.

    Se eu pudesse resumir esse livro, eu diria que ele fala sobre príncipes, princesas adormecidas, magos, um culto ninja/seita do mal, com uma pitada de novela mexicana estilo medieval, misturado com muita fantasia.

    Apesar de ter sido um livro muito bom e, assim como os outros da série, bem escrito, eu senti falta de alguns personagens principais. Pug, por exemplo, se tornou um personagem secundário e só tem uma participação maior no final. Tomas, coitado, mal aparece.

    Enquanto isso, o ladrão Jimmy é promovido ao time dos protagonistas e traz com ele cenas engraçadas e leves. Ele realmente 'rouba' partes do livro, se é que vocês me entendem.

    Agora alguém me explica a capa desse livro? Poxa, TODOS os outros livros dessa série têm capas tão incríveis e esse tem essa capa sem graça. Não entendo...



    1 comentários :

    1. geralmente essas historias fantasias são bacanas até chegar na riqueza de detalhes, li a pouco tempo Feitos de fumaça e osso, amei mas me confundiu o vai e vem de informações, motivo pelo qual nao li ainda HP. As resenhas geralmente me encantam por serem objetivas.

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!