• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Leitura da Drica: Imperfeitos, Cecelia Ahern


    Celestine North vive em uma sociedade que rejeita a imperfeição. Todos aqueles que praticam algum ato julgado como errado são marcados para sempre, rechaçados da comunidade, seres não merecedores de compaixão.
    Por isso, Celestine procura viver uma vida perfeita. Ela é um exemplo de filha e de irmã, é uma aluna excepcional, bem quista por todos do colégio, além do mais, ela namora Art Crevan, filho da autoridade máxima da cidade, o juiz Crevan.
    Em meio a essa vida perfeita, Celestine se encontra em uma situação incomum, que a faz tomar uma decisão instintiva. Ela faz uma escolha que pode mudar o futuro dela e das pessoas a seu redor.
    Ela pode ser presa? Ela pode ser marcada? Ela poderá se tornar, do dia para a noite Imperfeita?
    Nesta distopia deslumbrante, a autora best-seller Cecelia Ahern retrata uma sociedade em que a perfeição é primordial e quem cometer qualquer ato falho será punido. A história de uma jovem que decide tomar uma posição que poderá custar-lhe tudo.
    Imperfeitos
    Flawed # 1
    Ano: 2016 
    Páginas: 320
    Editora: Novo Conceito

    Mais um livro que me pegou pela capa. Mas a curiosidade também foi meu ponto fraco. Queria saber se a Cecelia Ahern, tão aclamada pelos seus romances, seria capaz de escrever uma boa distopia. Só tenho a dizer que adoro essas minhas apostas!!!

    "... Se você comete um erro, aprende com ele. Se nunca comete nenhum erro, jamais será uma pessoa sábia."


    Imperfeitos tem Celestine North como protagonista dessa história que se passa no futuro. Ela é uma perfeita. Um verdadeiro exemplo a ser seguido: boa aluna, boa filha, namorada de Art Crevan, filho do juiz do tribunal que julga os Imperfeitos. Centrada, vive no lado privilegiado e tem toda a sua vida definida por esses padrões. Ao contrário de sua irmã, que parece nunca estar satisfeita com nada.

    "Mas entendo agora por que as pessoas leem, por que se perdem na vida de outra pessoa. Às vezes leio uma frase e ela me faz pular, me abala, porque é algo que senti recentemente mas nunca disse em voz alta. Quero entrar na página e dizer aos personagens que os entendo, que eles não estão sozinhos, que eu não estou sozinha, que está tudo bem em se sentir assim. E então o sinal toca, o livro é fechado e volto à realidade. "

    Mas o mundo de Cel começa a mudar quando, ao cometer um ato de bondade e ajudar um idoso Imperfeito que está morrendo no ônibus, ela é condenada como Imperfeita. É quando Cel vai descobrir que o sistema que ela tanto admirava não é justo e sim, cruel.

    "... Nada de segundas chances, nenhuma empatia, nenhuma explicação era permitida ou solicitada. ninguém que houvesse errado no passado poderia assumir cargos de liderança no futuro. E, enquanto centenas de milhares de pessoas protestavam contra o governo, foi decidido que qualquer pessoa que tivesse cometido um deslize deveria ser erradicada da sociedade para sempre. Aprender com os próprios erros seria algo do passado. Todos sempre (sempre) olhariam para o futuro antes que fosse tarde demais; nada de equívocos."

    A vida dos cidadãos é ditada pelo "Tribunal, criado como uma solução temporária do governo para investigar transgressões, agora é uma instituição permanente que supervisiona o julgamento de indivíduos acusados de serem Imperfeitos. Os Imperfeitos são pessoas comuns que cometeram transgressões morais ou éticas.
    A localização do I depende da transgressão cometida.
    Para quem toma decisões ruins, é na têmpora.
    Para quem mente, na língua.
    Para quem trapaceia, na palma da mão direita.
    Para quem é desleal com o Tribunal, no peito, sobre o coração.
    Para quem não segue as regras da sociedade, na sola do pé direito."

    Quem nos conta tudo isso é a própria Celestine, que terá sua vida virada de cabeça para baixo e devassada pela mídia e pelo Tribunal. Seu julgamento é televisionado, o que faz com que a opinião pública se divida entre culpada e mártir da casa a favor dos Imperfeitos. 

    Dividida entre o medo da condenação e a necessidade moral de lutar pelo que acredita ser o certo, Cel vai enfrentar maus bocados. Alternando entre convicções e incertezas, ela será alvo de manipulações de todos os lados, mas até onde valerá se manter firme? Até onde valerá perder toda uma vida estável e segura para defender desconhecidos? Até onde é viável ir quando o seu bem-estar pode ser trocado pelo bem-estar de muitos? E qual será o preço de defender aquilo em que se acredita?

    O livro vai nos mostrar as reações de vários personagens a tudo o que está acontecendo com Cel. Ela, inclusive, será uma grata surpresa. O leitor terá a oportunidade de ver, no decorrer da história, o seu amadurecimento através de dolorosas descobertas. 

    A sua família também vai amadurecer com o seu sofrimento. O pai a apoia incondicionalmente, apesar de temer pelo futuro da filha. A mãe, uma verdadeira caixinha de surpresas, vai protagonizar cenas de te levar às lágrimas, apesar de sua postura contida e distante em muitos momentos. Sua irmã e admiradora terá um papel crucial ao longo da história, e será a fraqueza e o ponto de apoio de Cel, ao mesmo tempo.

    Mas o livro também tem romance. E apesar de achar que Art não é o cara certo para Cel, por ser fraco e, muitas vezes, covarde, ele é um fofo. 

    "Ele ergue a perna esquerda e a move ao meu lado, me puxando para perto e me deixando presa entre suas pernas. De repente minhas inseguranças desaparecem, e estou exatamente onde quero estar."

    Mas me apaixonei pelo Carrick, companheiro de prisão de Cel, que está preso na cela em frente. Os dois estabelecem uma relação interessante somente através de olhares, já que estão separados por celas que os impede de se falarem. Vão dividir traumas que os tornarão bem próximos. 

    " - O Dr. Smith diz que nada está fraturado.
    - Não. Se você não considerar meu coração, meu orgulho e minha crença na humanidade."

    Imperfeitos não se detém em analisar o governo e o que levou a sociedade a esse sistema. Esse é um livro de pessoas e, nem tanto, de fatos. Um livro sem heróis, ou melhor, onde o herói pode ser qualquer um, qualquer pessoa comum. Um livro que fala de relacionamentos, e de como esses laços são importantes na nossa vida. Fala de acreditar em mundo melhor para todos, e não só para os meus. E nos diz que de nada adianta que eu tenha tudo, que eu seja feliz se ainda existem pessoas injustiçadas, infelizes e sofrendo. 



    16 comentários :

    1. Oi Drica ;)
      Já li Simplesmente Acontece da autora, e adoro a forma que ela escreve. E com você favoritando fiquei mais animada pra ler Imperfeitos!
      Não sabia que ela tinha escrito uma distopia, fiquei muito curiosa. E que bom que a protagonista vai amadurecendo ao longo do livro!
      Adorei a resenha, já coloquei na lista de leitura.
      Bjos

      ResponderExcluir
    2. Oi Drica.
      Eu confesso que esse livro foi para minha lista justamente pela capa mas adorei saber que o livro vai além disso fica impressionada quando você disse que eu era aí pode ser qualquer um e isso é algo que não vemos normalmente em livros a premissa para lar de interessante e eu já vi Maravilha sobre isso que ele Doutora espero muito em breve estar desfrutando dessa leitura.
      Bjs.

      ResponderExcluir
    3. Oi Drica! Adorei essa história! Amo distopias e amei a divisão de perfeitos e imperfeitos e de como a protagonista descobre a divisão de uma forma diferente. Achei a Cel um pouco parecida e comigo e no contexto que ela se encaixa. Já vou adicionar a lista de desejados!
      Obrigada pela indicação s2

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Que bom q vc se identificou com a protagonista, vc deve ser uma pessoa bem legal pq adorei ela!!!

        Leia e me diga o q achou!

        Excluir
    4. Drica!
      Gosto muito dos romances da autora, mas não sabia que escrevia distopia também e fico feliz em ver que ela preferiu abordar o lado psicológico das personagens, ao invés de apenas avaliar a posição governamental.
      Quero ler para conferir.
      “A única sabedoria que uma pessoa pode esperar adquirir é a sabedoria da humildade.” (T. S. Eliot)
      Cheirinhos
      Rudy
      TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
      http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Esse foi o primeiro livro dela q fugia à linha dos romances, Rudy. E vale muito à pena!

        Excluir
    5. Este comentário foi removido pelo autor.

      ResponderExcluir
    6. Oi Drica, a curiosidade que você citou no inicio da resenha é o que primeiro me impulsiona a querer ler essa história e fiquei super feliz em saber que ela é muito boa. A resenha tá ótima, destaca pontos importantes, alguns que me fizeram ficar mais curiosa, a relação dela com a família e alguns nem tanto, o possível triângulo, mas a resenha tá tão animada que esse ponto não tão bom pode ser relevado rsr. Espero poder ler o livro e a capa tá um show a parte, bem linda ;)

      ResponderExcluir
    7. Ahhhh como eu tô querendo ler esse livro, tenho lido muita fantasia e não tenho encontrado tantas distopias que merecem minha atenção mas qui tem uma que eu com certeza quero ler. Fiquei chocada que ela foi considerada imperfeita pelo simples fato de ter ajudado uma pessoa, isso mostra que a sociedade que ela vive era realmente cruel. Eu gostaria realmente de pode ver o final desse enredo incrível. Vou procurar ler esse livro.

      ResponderExcluir
    8. Fiquei interessada em ler esse livro já que fala sobre injustiças humanas e tem um pouquinho de romance no qual eu adoro também fiquei curiosa para saber o final da história.Já coloquei na minha lista de compras.

      ResponderExcluir
    9. Olá!
      Nunca tinha me interessado em ler nada dessa autora. Mas esse livro parece ser muito bom e tratar de temas muito importantes.
      Você conseguiu transmitir bem o quanto você gostou do livro através da sua resenha. Vou adicionar na listinha <3
      Beijos

      ResponderExcluir
    10. Oi drica!
      Essa história me lembrou muito um episódio da série Black Mirror, onde as pessoas são julgadas pelas suas boas maneiras.
      Nunca li nada dessa autora pois não a conhecia e esse livro me chamou atenção pelo enredo, já que a capa deixou a desejar.
      Vou dar uma chance a ele em breve.
      Beijos!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Só assisti aos 2 primeiros episódios da série, mas qual é esse?

        Excluir
    11. Que capa mais linda,amei <3 Essa tambem já me conquistou pela capa e depois de ler a sua resenha fiquei completamente apaixonada e querendo muito ter esse livros em mãos.
      Adorei tambem em saber que ele trata sobre relacionamentos e a importancia deles. Já entrou para a minha lista.

      ResponderExcluir
    12. Oi, Drica!!
      Gostei bastante da resenha e como sou muito fã de distopias fiquei muito interessada para conhecer mais sobre esse livro da autora!!
      Bjoss

      ResponderExcluir

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!