Mary Hades, Sarah Dalton

Não há muitas garotas de dezessete anos cuja melhor amiga é um fantasma, entretanto Mary Hades não é uma adolescente comum.Marcada física e mentalmente por um incêndio, seus pais decidem que um descanso em um vilarejo idílico em North Yorkshire irá ajudá-la a se recuperar. Aninhada no meio de cinco pântanos, Mary espera ter uma semana entediante enfiada em um trailer com os pais. Mal sabe ela que a maldade está à espreita no acampamento...Seth Lockwood – um trabalhador local, no parque de diversões, com um segredo obscuro – pode ser a chave para revelar a história sombria que tem arruinado Nettleby. Mas Mary é atraída a ele de uma forma que a faz questionar seu julgamento.Com a ajuda da melhor amiga morta e um peculiar casal gay gótico, Mary deve dar um fim nas mortes extraordinárias ocorrendo em Nettleby. Mas será que ela consegue impedir seu coração de se partir?O primeiro na série de romances sombrios da categoria Jovem Adulto, Mary Hades continua a história de Monstros à Luz do Dia. Um conto que mistura pavor e romance, ao mesmo tempo chocando e entretendo os leitores.Com algumas cenas de terror e palavrões, este livro é mais indicado a leitores a partir dos quinze anos.
Mary Hades
Sarah Dalton
Ano: 2015 
Páginas: 184
Idioma: português 
Editora: Babelcube Inc.

Mary Hades foi um livro que me atraiu pela capa, me fez pensar em Ana Vestida de Sangue e acabou sendo uma leitura maravilhosa.

A jovem Mary Hades tem 17 anos e está indo acampar com seus pais. Uma pena que de normal ela nada tenha. E este acampamento não vá ser dos mais tranquilos.

A história se passa em Nettleby, North Yorkshire e são 184 páginas que arrepiaram meus pelinhos! Sim, eu sou medrosa. Mas a Mary vai ter de lidar com um fantasminha nada camarada! Nossa mocinha está tentando se recuperar de sua quase morte, querendo mais do que tudo ser uma adolescente normal, passear, ter amigos e, acima de tudo, não ver as Coisas. Inclusive por eles serem portadores de más notícias.

Essa viagem em família é uma tentativa por parte da mãe dela de afugentar da mente da filha tudo o que passou no hospital. E, aos poucos, a autora nos deixa a par de tudo.

Conhecemos então a melhor amiga de Mary: Lacey Holloway, o detalhe é que ela está morta. E é um fantasma bem amigável. O que deixa Mary preocupada pela amiga não ir para a luz, por vezes se perguntando se é a razão de Lacey não seguir seu caminho.

Uma coisa é certa: aonde Mary vai, a morte vai atrás. Logo no primeiro dia, algo acontece e, bem... não para por aí. No entanto ela está disposta a aliviar a preocupação da mãe e tentar aproveitar o momento com os pais.

Num parque de diversões ela acaba conhecendo o Seth Lockwood, e gente ele é um fofo! 

"As vezes você tem de se arriscar para chegar a algo lindo."

Primeira vez que leio algo da Sarah Dalton e gostei bastante. Ela conseguiu criar personagens cativantes. Mary que, apesar de toda a situação que enfrentou, continua otimista, torcendo para ter uma vida tranquila, destemida quando precisa. Lacey que tem um humor bem peculiar. O Seth que surge como o cavaleiro de armadura e, aos poucos, ela trabalha a duplicidade. Neil e Lammar, o casal que, apesar de góticos e estarem acampando na esperança de ver a Pequena Amy, apesar de não serem exemplo de coragem são exemplos de amizade com toda certeza.

A Pequena Amy é assustadora! E além disso vai colocar umas dúvidas na mente da Mary e da Lacey. Podendo causar um rompimento na amizade delas.

E eu não quis largar o livro até descobrir toda a verdade. Quem matou a Amy? Seria Mary e os amigos capazes de derrotar um espírito tão forte? Haveria possibilidade do romance entre nossa mocinha e o Seth dar certo?

Tudo o que sei é que gostei muito do que li. Foi rápido e curto, porém bem explicadinho.

E só depois que li vi que tem um Prequel: Monstros à luz do dia, com 118 páginas e um conto: Irmã, com apenas 41 páginas. Não os li ainda, mas tenho vontade de ler o prequel para ver como a amizade de Mary e Lacey surgiu; e de ler o conto para descobrir um pouco mais sobre a mãe dela.


Mary Hades é leitura rápida para quem gosta de livros com fantasmas. Com uma mocinha lutando para aliviar a preocupação dos pais com a filha esquizofrênica que pensar ver os mortos. A jovem é um exemplo de que com boa vontade e muita coragem é possível deixar para trás um acontecimento traumático e tentar ser feliz.

4 comentários

  1. Não sou fã de leituras com fantasmas, e me parece que ficaria um pouco desconfortável com esse enredo.
    Mas gostei da resenha.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Dani!
    História de fantasma, já pode incluir na minha lista. Não tem jeito, enquanto não descobrirmos o motivo principal do suspense é difícil largar. E ainda tem personagem fofo no meio. Não conhecia o nome da autora, mas também fiquei um longo período de ressaca e afastada dos lançamentos. Gostei da capa. Já li alguns livros da Balbelcube.

    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Effy!
      Ando me aventurando mais com livros de fantasmas. Acho que peguei o gosto depois da Nora Roberts com Dália Azul.
      Fiquei mesmo curiosa e ansiosa para descobrir a verdade.
      Obrigada por comentar!

      Excluir

O seu comentário alegra o nosso dia!!!