Um banquete para Hitler, V.S. Alexander

"Eu, Magda Ritter, conheci Hitler.
Eu era uma das quinze mulheres que provavam sua comida, pois o Fürher era obcecado com a possibilidade de ser envenenado pelos Aliados ou por traidores dentro de seu círculo pessoal.
Ninguém, exceto meu marido, sabe o que eu fiz.
Nunca falei sobre isso. Eu não podia falar… Mas os segredos que guardei por tantos anos precisam ser revelados.
Às vezes, a verdade me oprime e me apavora. É como uma queda sem fim em um poço fundo e escuro. Mas, ao escrever minha história, descobri muito sobre mim mesma e sobre a humanidade. E também sobre a crueldade dos homens que fazem leis para se adequarem aos seus próprios interesses.
Eu conheci Hitler… E minha história precisa ser contada.”
Unindo a história e a ficção, Um Banquete Para Hitler mostra os extremos de privilégio e opressão sob a ditadura do Fürher, expondo os dilemas morais da guerra em uma história emocionante, cheia de atos de extraordinária coragem em busca de segurança, liberdade e, finalmente, vingança.
Um Banquete Para Hitler
A morte está servida
Ano: 2018
Páginas: 304
Idioma: português 
Editora: Gutenberg

Nossa protagonista é Magda Ritter, uma jovem alemã que tinha uma vida tranquila e distante de tudo o que acontecia na guerra. Para fugir dos ataques dos Aliados, sai da casa dos pais e vai morar com um tio e sua esposa, que a obriga a trabalhar. Após muitas décadas de tudo o que viveu, ela decide nos contar a sua história.

Magda se associa ao Partido e é convocada para assumir um cargo altamente perigoso e secreto: ela será uma das provadoras de todo o alimento de Hitler. Que irônico, não? Tentando se proteger do perigo, Magda é colocada de frente para ele... Como encarar essa situação?

"Você e outras experimentam a comida do Führer. Seu corpo é oferecido em sacrifício ao Reich no caso de a comida estar envenenada."

Após um intenso treinamento para aprender a identificar qualquer tipo de veneno antes mesmo de ingeri-lo, Magda está apta a exercer sua função considerada de grande honra para a maioria dos aliados de Hitler, mas não para ela que tem que conviver diariamente com a possibilidade de morrer por alguém que nem conhece.


"Estremeci. Minha vida pode acabar aqui. Nem mesmo os bombardeios em Berlim tinham me obrigado a enfrentar minha mortalidade de maneira tão brutal. A ideia de que eu poderia morrer por Hitler me atordoou."

Extremamente carismática e eficiente, Magda conquista a confiança e admiração de pessoas importantes, inclusive do próprio Hitler. Mesmo não nutrindo nenhuma simpatia por ele. Na verdade, o desejo de mata-lo é bem grande.

Amante das artes e da boa música, é incrível observar como Hitler consegue ser tão carismático, culto, educado e até generoso com as pessoas próximas, inclusive os seus empregados.  

A história nos mostra os horrores da guerra, fala do holocausto dos judeus, dos campos de concentração, das ordens loucas e arbitrárias de Hitler e das várias tentativas de assassinato que ele sofreu. Mas tudo isso narrado pelos olhos de uma jovem alemã, e foi o que mais me surpreendeu.

Num primeiro momento, é fácil acreditar que a Alemanha e os alemães estavam em uma situação confortável durante a guerra e a apoiavam. O mais interessante desse livro, na minha opinião, é mostrar que nem todos os cidadãos alemães amavam o Fuhrer, apoiavam a guerra ou viviam bem. Na verdade, muitas das tentativas de assassinato que ele sofreu vieram de oficiais alemães que o conheciam de perto e sabiam do que ele era capaz em nome do poder e de suas crenças.

Magda passa de uma jovem alheia ao que está acontecendo no mundo para uma mulher forte que vive as atrocidades da época, indo até parar em um campo de concentração por algum tempo. O amadurecimento de Magda em relação a vida a torna um personagem heroico e carismático, uma sobrevivente que assume a responsabilidade de mudar o curso da história.

Baseado na vida de vida de Margot Woelk, uma das provadoras de Hitler, o livro não é uma biografia, mas a autora consegue unir magistralmente vida real e ficção.

Um banquete para Hitler é um livro forte, denso, necessário, um livro para você acreditar que o mal existe, mas que o ser humano é capaz de superar todo o seu poder. 


Um comentário

  1. Tudo que envolve a Segunda Guerra me anima a querer ler e este livro está na minha lista de desejados há um bom tempo. Não apenas pelo enredo que acredito que dê uma agonia quase o tempo todo (fiquei aqui tentando me colocar no papel de Magda por muitas vezes)imagina o pavor??
    Quero muito poder conferir!!!!
    Beijo

    ResponderExcluir

O seu comentário alegra o nosso dia!!!