Notas sobre o luto, Chimamanda Ngozi Adichie

 


Escrito após a morte do pai de Chimamanda Ngozi Adichie em junho de 2020, durante a pandemia de covid-19 que mantinha distante a família Adichie, Notas sobre o luto é um poderoso relato sobre a imensurável dor da perda e as lembranças e resiliência trazidas por ela. Consciente de ser uma entre milhões de pessoas sofrendo naquele momento, a autora se debruça não só sobre as dimensões familiares e culturais do luto, mas também sobre a solidão e a raiva inerentes a ele.
Com uma linguagem precisa e detalhes devastadores em cada capítulo, Chimamanda junta a própria experiência com a morte de seu pai às lembranças da vida de um homem forte e honrado, sobrevivente da Guerra de Biafra, professor de longa carreira, marido leal e pai exemplar.

Em poucas páginas, Notas sobre o luto é um livro imprescindível, que nos conecta com o mundo atual e investiga uma das experiências mais universais do ser humano. “Era tão próxima do meu pai que sabia sem querer saber, sem saber inteiramente o que sabia. Uma coisa dessas, temida durante tanto tempo, finalmente chega, e na avalanche de emoções vem também um alívio amargo e insuportável. Esse alívio se torna uma forma de agressão, e traz consigo pensamentos estranhamente insistentes. Inimigos, atenção: o pior aconteceu. Meu pai se foi. Minha loucura agora vai se revelar.”
Notas sobre o luto
Ano: 2021 
Páginas: 144
Idioma: português
Editora: Companhia das Letras

“Uma erosão, uma terrível tromba-d’água que deixou nossa família para sempre deformada. As camadas da perda fazem eu me sentir fina como um papel.”

Desde o final de 2019, poucos meses antes do início da pandemia, tenho convivido de perto com a morte de uma maneira que jamais imaginei ser possível. Nunca perdi tantas pessoas queridas nem nunca vi tantos amigos próximos vivendo essa mesma dor, e por isso quis muito ler Notas sobre o luto para absorver um pouco da sabedoria da Chimamanda. 

A necessidade de falar sobre a dor da perda de seu próprio pai em 2020 foi o evento motivador para que a autora escrevesse esse livro curtinho mas tão impactante. Mesmo não tenho morrido por covid, a pandemia fez com que a grande parte dos planos e rituais de luto tradicionais da cultura de sua família fossem alteradas. 

 "Meu pai se foi. Minha loucura agora vai se revelar.”
O livro traz as fases pelas quais a autora passou começando pela dor da perda, a não-aceitação da ausência, a culpa pela distância, o temor de não poder se despedir por causa das restrições impostas pela pandemia que fechou aeroportos em todo o mundo. E, em meio a tudo isso, ainda aprendemos um pouco da cultura nigeriana e como esse povo lida com seus mortos.

“O luto é uma forma cruel de aprendizado. Você aprende como ele pode ser pouco suave, raivoso. Aprende como os pêsames podem soar rasos. Aprende quanto do luto tem a ver com palavras, com a derrota das palavras e com a busca das palavras. Por que sinto tanta dor e tanto desconforto nas laterais do corpo? É de tanto chorar, dizem. Não sabia que a gente chorava com os músculos”.

Uma leitura que te faz refletir sobre a fugacidade da vida e sobre como lidar com a dor da perda e a certeza da ausência, que mostra o quando somos frágeis  e vulneráveis a essa certeza e torna óbvio que precisamos falar sobre o luto, vivê-lo, para depois seguir em frente. 


Um comentário

  1. Mesmo sem ter lido este livro, penso que é o tipo de livro que talvez acalentasse muitos corações.
    A gente tem lidado com o luto diário, muitas vezes, de pessoas que nem sequer conhecemos, mas a dor? Ela é real, muito real.
    Chimamanda é ensinamento do começo ao fim!!!
    Espero muito ler essa obra e outra dela o quanto antes!
    Beijo

    Angela Cunha/O Vazio na flor

    ResponderExcluir

O seu comentário alegra o nosso dia!!!