• Home
  • Sobre o Blog
  • Colaboradores
  • Contato
  • Lendo com a Dani: Ligeiramente Seduzidos, Os Bedwyn #4, Mary Balogh

     Jovem, estonteante e nascida em berço de ouro. É apenas isso que Gervase Ashford, o conde de Rosthorn, enxerga em Morgan Bedwyn quando a conhece, num dos bailes da alta sociedade inglesa em Bruxelas. 
    Em circunstâncias normais, ele não olharia para ela duas vezes – prefere mulheres mais velhas e experientes. Porém, ao saber que Morgan é irmã de Wulfric Bedwyn, a quem Gervase culpa pelos nove anos que passou longe da Inglaterra, decide que ela é o instrumento perfeito para satisfazer seu desejo de vingança. 
    Mas Morgan, apesar de jovem e inocente, também é independente e voluntariosa e, assim que entende as intenções do conde, se prepara para virar o jogo e deixar claro que não se deixará manipular por ninguém. 
    Em Ligeiramente seduzidos, quarto livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh nos brinda com mais uma história fascinante. Em uma trama repleta de traição e vingança, escândalo e sedução, ela mostra que o caminho para o amor pode ser difícil, mas que a recompensa faz cada passo valer a pena.


    Ligeiramente Seduzidos (Slightly Tempted)
    Autora: Mary Balogh
    Os Bedwyn #4
    Editora Arqueiro (2016)
    288 páginas




    Ah os Bedwyn... que família singular. São obstinados, astutos e não levam desaforo para casa. A honra está acima de tudo e o amor para eles é um quesito importantíssimo.

    Morgan seria a primeira a deixar o amor de lado? 

    Morgan Bedwyn estava entediada na Inglaterra, para acabar com o problema consegue ir até Bruxelas e quem sabe ter a sorte de participar de um momento histórico tal qual a luta contra Napoleão.


    Depois de ler isto fiquei pensando "é a mais desmiolada da família". 

    Morgan tem dezoito anos e não gosta de apenas dançar e sorrir, está em Bruxelas acompanhada dos Caddicks, pois acreditam que ela e o jovem Gordon acabarão por casar.

    Não consegui gostar de Gordon, e pela descrição ele não passava de um rosto bonito e nada mais.

    Eis que entra em cena Gervase, o exilado. 

    Gervase é bonito, alto e tem uma grande ideia ao ver Morgan e descobrir seu parentesco com Wulfric, o duque de Bewcastle.

    O melhor de ambos é que eles começam a jogar claramente, um provocando o outro e vagarosamente a relação entre eles vai surgindo, tomando forma.

    Para vocês terem ideia de como eles agem entre si a Editora Arqueiro publicou um trecho em seu site:

    – A senhorita é uma feiticeira – disse ele. – Inverteu a situação. Jogou meu próprio jogo e teve uma conversa filosófica comigo quando eu estaria flertando com a senhorita. Mas não é tão fácil me distrair dos meus instintos. Tenho que lhe roubar um beijo.
    – Ah, o senhor não vai roubar nada.Vim até aqui com o firme propósito de ser beijada. O senhor não foi nada esperto, lorde Rosthorn. Beije-me.
    Por alguns instantes, o conde não se moveu. Então, afastou-se da árvore e segurou o rosto dela entre as mãos.
    Seus lábios, ao tocarem os dela, estavam quentes, macios, e o toque foi leve como o de uma pluma. Em seguida, ele os roçou nos dela, lambendo-os de leve, mordiscando o lábio inferior, então passando a língua pela parte de dentro, explorando a região úmida e sensível.
    Os efeitos do beijo, descobriu Morgan, não se restringiram à área dos lábios. Ela sentiu a boca ansiando por mais, então os seios e a parte interna das coxas. Quando ele enfim afastou o rosto, Morgan compreendeu como um simples beijo podia ser perigoso. Tinha brincado com fogo. Talvez o conde houvesse ganhado aquele round de hostilidades, afinal.

    O período é o de 1815 quando Napoleão Bonaparte foge da Ilha de Elba e retoma o poder, antes da Batalha de Waterloo.

    Mary Balogh conseguiu unir o romance ao momento histórico de maneira magistral. Sem muitas descrições, exageros ou narrativa prolongada ela nos situa bem quanto ao que ocorre na Europa naquele momento.

    Morgan é uma mocinha destemida e quando enfim se vê em meio a algo que imagina terá importância não apenas no presente como para o futuro de todos, não pensa duas vezes e se engaja.

    Imaginem a filha e irmã de duques cuidando de feridos iletrados e sem sangue azul?!

    Tendo vivido sempre temerosa do que poderia ocorrer com Aidan que participou de muitas batalhas, ela age com muita garra, cuidando de quem pode. Estando longe dos afetados Caddicks e  unindo-se às mulheres de soldados.

    Então o que esperar dessa leitura?

    Muita aflição.... Sim, a Morgan vai receber uma notícia que vai abalar suas estruturas e que me deixou nervosa, triste. Ver como ela lidou com aquela verdade foi muito real. 

    Muita atração... Morgan e Gervase são o tipo de casal que solta faísca. É quase palpável, e o jogo deles é de certa forma intelectual não apenas físico.

    Mistério... a autora nos deixa malucos para saber o motivo que levou Gervase a ser exilado e se manter afastado por nove anos. O que houve? Qual a relação de Wulf?

    Críticas... desde a desigualdade de sexo e classes até o comportamento da aristocracia que em vias de guerra ainda estava organizando bailes.

    Tabu... Sim, a autora inseriu um tema que ainda hoje é tabu e tem muito preconceito, imaginem lá no século dezenove?! Quando eu somei 1+1, fiquei de queixo caído ao imaginar a reação da sociedade daquela época.

    O gancho... para o próximo livro está de acabar com os nervos. Até que você raciocina e vê o óbvio. hahaha.

    No entanto o melhor para mim é sem dúvida a interação entre a família. Vamos rever todos eles, Aidan, Ralf, Freyja, Alleyne e Wulf.

    Mary Balogh sabe como dosar romance, interação familiar, momentos históricos e personagens marcantes com cenas que causam risos, lágrimas, alegria e aflição.

    Quanto a edição... não encontrei erros e está muito charmosa como sempre, inclusive adoro os entremeios com filigranas:


    Ligeiramente Seduzidos vem com o frescor da juventude indo de encontro a uma maturidade amarga, uma relação que começa pelos motivos errados e vai tomando forma aos poucos. Da crueza inicial ao calor do amor. Uma jornada que vai amadurecer os mocinhos e vai lhes ensinar lições importantes.

    Leia e suspire, torça pelo melhor, roa as unhas de aflição, derreta quando eles estão no mesmo ambiente e ria muito quando a família está reunida.




    0 comentários :

    Postar um comentário

    O seu comentário alegra o nosso dia!!!